Shoma Uno, Kaori Sakamoto e Boyang Jin se destacam nos Campeonatos Nacionais de Patinação Artística da Ásia

Os principais campeonatos nacionais de Patinação Ártística da Ásia, disputados entre o final de 2018 e janeiro de 2019 serviram para definir as equipes de Japão, China e Coréia que irão disputar as principais competições internacionais desta temporada, e contaram com retornos, surpresas e polêmicas. Confira no resumo o que aconteceu em cada um deles:

Japão:

O Campeoato Nacional de Patinação Artística do Japão trouxe alguns resultados surpreendentes, a confirmação de alguns favoritismos e gerou algumas preocupações e controvérsias, além da esperada volta de Daisuke Takahashi. Aos 32 anos o medalhista de bronze das Olimpíadas de Vancouver retornou às competições em 2018 e espera voltar para o circuito internacional em 2019. 

Sem o bicampeão olímpico Yuzuru Hanyu, que ainda se recupera da lesão no tornozelo sofrida durante a Rostelecom Cup, na Rússia, Shoma Uno, medalha de prata em Pyeong Cheng despontou como favorito absoluto da categoria masculina, para um terceiro título consecutivo. E Uno não decepcionou, apresentando um dos melhores conjuntos de performances de seus programas curto e livre de toda a temporada 2018-2019. Mas acabou enfrentando um problema sério e inesperado: uma lesão de média gravidade no tornozelo direito ocorrida na manhã dos treinos para o programa curto que foi se agravando no decorrer da competição. Uno ainda conseguiu apresentações de qualidade e conquistou uma somatória final de 289.10 pontos, confirmando a medalha de ouro. A lesão está em tratamento, progride bem e o patinador é presença dada como confirmada na Copa dos Quatro Continentes e no Campeonato Mundial.

Daisuke Takahashi, na sua volta às competições principais trouxe dois programas de alta precisão e elevado valor artístico e ficou com a medalha de prata. O resultado seria suficiente para garantir uma vaga para participar do Campeonato Mundial em Saitama e da Copa dos Quatro Continentes, em Anheim, EUA, mas Takahashi declinou da oferta da Federação Japonesa de Patinação (JSF): "Honestamente, estou totalmente perdido. Eu queria ir para Saitama, mas não pude me preparar mentalmente para enfrentar o mundo e não devo ir sem estar preparado." E acrescentou "Sinto que a necessidade para jovens atletas de ganhar experiência é maior para alavancar a patinação no Japão, então recusei." O terceiro lugar ficou com Keiji Tanaka, um dos representantes do país nas Olimpíadas de 2018. Uno e Tanaka seguem para a o Campeonato Mundial e para a Copa dos Quatro Continentes—nesse torneio, no lugar de Daisuke Takahashi vai Kazuki Tomono, quarto colocado no geral. No Campeonato Mundial, é aguardada a volta de Yuzuru Hanyu, completando o quadro de vagas do Japão.

A competição masculina também chamou a atenção por um detalhe negativo: a falta de eficiência em saltos, sobretudo de patinadores ainda em nível junior ou recém migrados para a categoria senior. O torneio mostrou muitas falhas em saltos triplos e pouquíssimos quádruplos executados sem erros. Em ambos os programas apenas o campeão Shoma Uno e Shun Sato, de 15 anos, 12o. colocado na classificação final conseguiram executar saltos quádruplos limpos. Além deles, apenas no programa livre, somente quatro patinadores—Keiji Tanaka, Kazuki Tomono, Sota Yamamoto (9o. lugar) e Hiroaki Satou (13o. colocado)— realizaram saltos quádruplos plenamente validados, uma quantidade muito pequena se comparada com a média de outros países dominantes no esporte.

No feminino, outra competição de surpresas e recompensas por um trabalho que progrediu ao longo de cada prova no ano. Kaori Sakamoto, que começou a temporada com muitos problemas em seus dois programas fez um paciente e obstinado trabalho de polimento e aperfeiçoamento meticuloso de ambas as rotinas e apresentou um trabalho memorável,limpo, preciso e de elevadíssimo valor artístico em ambos os dias. 

Com bons saltos, quase nenhum erro e muita intensidade sobretudo no programa livre, Sakamoto superou a campeã do Grand Prix Rika Kihira na somatória por quase sete pontos e conquistou o ouro. Kihira, com alguns problemas no ajuste das botas ficou apenas no quinto lugar no programa curto onde caiu na sua tentativa de triplo Axel. No livre, com dois triplos Axel limpos e uma nota técnica de 82.95 liderou, mas teve problemas numa sequência na segunda metade do programa além de uma nota de componentes artísticos um pouco mais baixa que a de outras competidoras. Rika Kihira ficou com a medalha de prata e Satoko Miyahara, com a melhor nota de componentes artísticos do programa livre e apresentações bastante consistentes ficou com o bronze. Sakamoto e Kihira representam o Japão na Copa dos Quatro Continentes. Mai Mihara, a quarta colocada e melhor nota de componentes artísticos do programa curto vai para a Copa dos Quatro Continentes enquanto Satoko Miyahara segue para o Campeonato Mundial.

A prova feminina acabou sendo marcada por uma polêmica: a veterana Ayaka Hosoda de 23 anos foi a única patinadora além de Rika Kihira a realizar saltos triplos Axel com eficiência: acertou todos, tanto no programa curto—onde realizou apenas saltos triplos de bastante complexidade—e no programa livre, onde teve apenas um erro mais grave de sub-rotação em um salto triplo Lutz. Mas mesmo com a complexidade técnica, Hosoda acabou penalizada com notas muito baixas de componentes artísticos em ambos os dias, o que para muitos observadores acabou sendo resultado de parcialidade e uma avaliação excessivamente severa da parte dos juízes, e tem causado muitos questionamentos. Ayaka Hosoda terminou a competição no 8o. lugar e não representa o Japão em nenhuma das compertições maiores do início do ano, embora possa ser convidada para alguma vaga sobrante do Grand Prix.

Em Dança no Gelo, Misato Komatsubara e seu parceiro de competição e marido, o norte-americano naturalizado japonês Timothy Koleto confirmaram o favoritismo e ganharam o ouro, com Kiriya Hirayama e seu par, o francês Axel Lamasse ficando com a prata, mais de 31 pontos atrás e Mio Iida e Kenta Ishibashi ficando com o bronze, num evento disputado apenas pelas três duplas. Em pares, Miu Suzaki e Ryuichi Kihara se apresentaram sozinhos após a desistência de Riku Miura e Shoya Ichihashi. A dupla Komatsubara/Koleto defende o Japão na Dança no Gelo e Suzaki/Kihara representa o país em pares tanto na Copa dos Quatro Continentes quanto no Campeonato Mundial.


China:

Um retorno em alto nível: o quarto colocado nas Olimpíadas de PyeongCheng, Boyang Jin venceu a competição com uma diferença gigantesca de mais de 90 pontos sobre o segundo colocado, He Zhang. Boyang Jin teve uma temporada extremamente problemática e com resultados muito abaixo do nível esperado, ficando fora da disputa da final do Grand Prix. Mas o patinador aperfeiçoou os programas e realizou duas performances de ótima qualidade, com excelentes saltos e piruetas além de sequências de passos e coreográficas extremamente intensas, sobretudo no programa curto. O bronze ficou com Runqi Liu.

Outra competição muito aguardada, a de Pares teve a volta de Wenjing Sui e Cong Han, ganhadores da medalha de prata nas Olimpíadas de PyeongChang-2018. Após as Olimpíadas, a dupla suspendeu os trabalhos completamente enquanto Sui tratava de múltiplas lesões nos pés. O retorno no Campeonato Nacional Chinês causou boa impressão, com a liderança da competição no programa curto e uma rotina forte, mas Sui e Han abandonaram a disputa no programa livre. A medalha de ouro ficou com Cheng Peng e Yang Jin, medalhistas de prata do Grand Prix 2018, a prata com  Xuehan Wang e Lei Wang e o bronze com  Feiyao Tang e Yongchao Yang.

No feminino, vitória da representante de Hong Kong Yi Christy Leung, com prata para Xiangyi An e bronze para Hongyi Chen. Em Dança no Gelo, Shiyue Wang e Xinyu Liu, após vários meses treinando no Canadá não só confirmaram o favoritismo ganhando o ouro como apresentaram uma evolução bastante expressiva, incluindo novos elementos e maior complexidade nas rotinas, prometendo maior competitividade durante a temporada 2019. A prata ficou com Hong Chen e Zhuoming Sun e o bronze com Wanqi Ning e Chao Wang.


Coréia:

Um grande duelo na categoria individual feminina: Young You e Eunsoo Lim disputaram intensamente cada elemento no programa curto, terminando o dia com vantagem para You sobre Lim por menos de um ponto. No programa livre, um desequilíbrio com quase queda de Lim numa combinação de saltos definiu o resultado a favor de You, que ficou com o ouro. O bronze ficou com Haein Lee.

No masculino, supremacia absoluta do medalhista de bronze do Grand Prix de 2018, Junhwan Cha, que dominou os programas curto e livre com ampla folga e venceu com uma vantagem final de mais de 50 pontos sobre o segundo colocado, Junehyoung Lee. O bronze ficou com Sihyeong Lee. Não houve disputa de Pares ou Dança no Gelo.

Foto: Getty

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes