IPC diz que atletas de Israel estão otimistas que irão receber os vistos para o Campeonato Mundial de Natação na Malásia

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) afirmou que os atletas israelenses estão otimistas para participar do Campeonato Mundial de Natação antes de serem levantadas as preocupações de que não receberão vistos para a Malásia.

Nisim Sasportas, uma autoridade israelense, afirmou que ainda não recebeu garantias de que os atletas do país poderão competir.

A Malásia não tem relações diplomáticas com Israel, com o país tendo uma postura pró-Palestina.

Isso se refletiu recentemente quando o primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Bin Mohammad, criticou a Austrália por reconhecer Jerusalém Ocidental como a capital de Israel.

O Comitê Paralímpico de Israel teria passado dois meses tentando receber garantias de que seus nadadores poderiam competir no Campeonato Mundial de Natação.

"Há algum tempo estamos tentando garantir nossa participação no Campeonato Mundial", disse Sasportas à Ynetnews.

"Em princípio, todos dizem que vai dar certo, mas ainda não recebemos nenhum convite ou visto.

"Continuamos a pressionar.

"Temos cartas de apoio do Comitê Paraolímpico Internacional, do Comitê Paraolímpico Europeu e do Comitê Olímpico de Atletas, e esperamos que eles permitam que os atletas e sua comitiva de segurança participem."

O IPC disse que está trabalhando com os organizadores e os governos relevantes para ajudar a garantir que os atletas possam participar.

"O IPC está trabalhando em estreita colaboração com o NPC da Malásia, o Comitê Organizador Local e os governos nacionais e estaduais relevantes para encontrar uma solução para essa questão", disse um porta-voz do IPC.

"O Campeonato Mundial deve estar aberto a todas as nações competidoras elegíveis do mundo e estamos otimistas que os para-nadadores israelenses poderão competir em Kuching garantindo os vistos relevantes."

Essa não é a primeira vez que Israel tem problemas no mundo do esporte, em 2016 no mundial de vela júnior dois israelenses foram barrados de competir.

Isso foi mais proeminente no Grand Slam de Abu Dhabi da Federação Internacional de Judô (IJF) em 2017, quando o hino nacional e a bandeira israelense foram proibidos em meio a uma medalha de ouro para seu atleta Tal Flicker.

Foto:Getty Images

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes