Polícia austríaca inicia investigação sobre possível doping de cinco biatletas e oficiais de equipe da Rússia

A polícia austríaca lançou uma investigação sobre cinco biatletas russos e cinco oficiais da equipe por violações de regras antidoping ligadas ao Campeonato Mundial do ano passado em Hochfilzen, o anúncio foi feito nessa quinta (13).

Em um comunicado, a Procuradoria Central da Promotoria de Ofensas Econômicas e Corrupção (WKSTA) confirmou que a investigação dos cinco atletas é "baseada em fraude relacionada à dopagem".

Autoridades do Estado austríaco também estão conduzindo uma investigação sobre o "uso de substâncias proibidas ou métodos para fins de doping" pelos cinco membros da equipe.

A WKTSA disse que os acusados ​​foram informados das acusações, mas não houve buscas ou interrogatórios em Hochfilzen, onde a equipe russa está hospedada para a Copa do Mundo da União Internacional de Biatlo (IBU), a partir de hoje.

De acordo com a russa Match TV, os cinco atletas incluem o medalhista olímpico de Sochi 2014, Anton Shipulin - entre os russos proibidos antes dos Jogos de Pyeongchang - e Alexey Volkov, além do medalhista olímpico de bronze Evgeny Garanichev, medalhista de bronze Alexander Loginov e Irina Starykh.

O ex-técnico da seleção russa Alexander Kasperovich e os médicos e massoterapeutas Artyom Kryntsilov, Alexander Selyavkin, Evgeny Shutov e Dmitry Topychkanov também estão sob investigação, já que o doping é uma ofensa criminal na Áustria.

Os atletas não foram proibidos de competir na Copa do Mundo em Hochfilzen.

Em um post no Instagram, Loginov alegou que eles foram acusados ​​de "alguns esquemas fraudulentos com transfusões de sangue e algo mais".

A União Russa de Biatlo, que continua sendo um membro provisório do IBU após o escândalo de doping do país e recebeu recentemente uma série de critérios rigorosos que precisa cumprir para ser restabelecida, disse que a polícia havia questionado os envolvidos.

A polícia austríaca ainda está investigando o ex-presidente do IBU, Anders Besseberg, e a ex-secretária-geral, Nicole Resch, por suspeita de doping, fraude e corrupção envolvendo atletas russos, cujo relatório deve ser publicado em algum momento no próximo mês.

Besseberg e Resch são suspeitos de aceitar subornos no valor de 300 mil dólares e outros benefícios em troca de uma posição favorável à Rússia - mas negaram as irregularidades.

"O período em questão é o Campeonato Mundial de Biatlo da IBU em Hochfilzen 2017", disse o comunicado da WKSTA.

Foto:Getty Images

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes