FINA rebate ISL sobre imprecisões e a rivalidade segue a todo vapor

A Federação Internacional de Natação (FINA, na sigla em inglês) rebateu as alegações de que proibiria atletas que competissem em competições não sancionadas, enquanto insistia que o dinheiro do prêmio aumentou.

A Fina divulgou um comunicado para "corrigir uma série de imprecisões e esclarecer sua posição em várias áreas importantes" após a conclusão da cúpula de dois dias da International Swimming League (ISL), realizada em Londres.

A cúpula foi anunciada como uma oportunidade para os nadadores discutirem os passos que podem dar para transformar a natação em um "esporte profissional com salários regulares".

O aumento dos direitos e a garantia de que eles recebam uma "parcela justa das receitas geradas pelos órgãos governamentais nos níveis mundial e olímpico" também foram discutidos.

Foi sugerido que os atletas que estavam contemplando o estabelecimento de uma Associação de Nadadores Profissionais que ajudaria os esforços para se retirar de competições nas quais eles não acreditam que estão recebendo uma parte justa das receitas.

Também permitirá que eles consultem outros atletas sobre questões como direitos de imagem e formatos de competições.

Respondendo à cúpula, a FINA declarou que recebeu comentários de "todos os atletas em relação à melhoria constante na qualidade dos eventos da FINA", com o corpo governante afirmando que eles eram uma "fonte de motivação".

A FINA afirmou que "há sempre margem para melhorias no engajamento da FINA com os atletas, incluindo mudanças que veriam uma eleição direta do Comitê de Atletas, pelos atletas participantes dos eventos da FINA".

Eles também afirmaram que o Comitê de Atletas terá uma participação maior na organização no futuro, com a cadeira definida para se tornar um membro votante do Bureau da FINA, enquanto os membros restantes do Comitê terão direito a voto no Congresso Geral.

Uma área chave de discussões tem sido o dinheiro do prêmio disponível para atletas em eventos.

As contas da FINA mostraram que o órgão atualmente distribui 12,5% de suas receitas anuais aos atletas na forma de prêmios em dinheiro.

A ISL afirmou que isso não inclui direitos de pensão e seguro, com a organização afirmando que eles se comprometeram a dividir 50% das receitas geradas por suas séries com atletas.

Eles alegam que os atletas devem aceitar "nada menos" de qualquer organizador da competição, incluindo o Comitê Olímpico Internacional (COI).

A FINA rebateu, alegando que o órgão governamental aumentou significativamente o prêmio em dinheiro na última década e está apoiando significativamente os projetos de desenvolvimento.

"A gestão financeira cuidadosa da FINA já a viu garantir um modelo vencedor para o futuro dos esportes aquáticos, que inclui massivamente bolsas de prêmios para atletas, mais de 500% em dez anos", escreveu a FINA.

"A abordagem da FINA demonstrou prudência, incluindo o estabelecimento de reservas necessárias para suportar o cancelamento imprevisto de um grande evento, garantindo assim a sustentabilidade."

A disputa em torno da FINA e da ISL se intensificou nas últimas semanas depois que a primeira se recusou a sancionar uma competição da ISL na Itália.

Eles deveriam competir durante dois dias de corridas em todos os eventos de natação em um campo de curta duração, onde as quatro equipes que obtiverem mais pontos progrediriam para uma grande final nos dois dias seguintes.

Foi cancelado quando a FINA advertiu que qualquer nadador que participasse seria suspenso.
A FINA defendeu sua decisão de se recusar a sancionar o evento, afirmando que o pedido para mantê-lo foi feito em "curto prazo".

Foto:Getty Images

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes