Médico envolvido em escândalo de doping no ciclismo britânico irá enfrentar Tribunal

O ex-ciclista britânico e médico do Team Sky, Richard Freeman, terá de enfrentar um tribunal do Conselho Geral de Medicina no início do próximo ano, provavelmente no dia 6 de fevereiro, em Manchester.

Homem no centro do escândalo no ciclismo inglês, Freeman demitiu-se da British Cycling em outubro de 2017, depois de dizer à organização que estava doente demais para enfrentar medidas disciplinares por falta de registros médicos.

Em uma entrevista à BBC, o ex-médico da equipe de ciclismo disse que sofria de uma "doença depressiva" e isso também o impediu de aparecer antes para contribuir com as investigações, bem como para prestar esclarecimentos ao órgão antidoping do Reino Unido.

O estado de saúde do Dr. Freeman, que escreveu um livro sobre medicina esportiva no começo do ano, é considerado satisfatória para enfrentar um tribunal. E o médico poderá perder sua licença médica.

Quando questionado, no ano passado, sobre o porquê as substâncias proibidas foram entregues aos ciclistas da equipe Sky, o chefe do Dr. Freeman, Dr. Steve Peters, disse ao periódico Sunday Times que foi um erro do fornecedor, o que foi negado pela empresa.

As investigações começaram devido a um relatório do Daily Mail em outubro de 2016, alegado que o médico Freeman recebeu um pacote enviado de Manchester e na corrida Criterium du Dauphine de 2011, na França, teria administrado o conteúdo impróprio ao atleta Bradley Wiggins.

A história foi baseada em uma alegação de que a droga em questão era triancinolona, ​​um corticosteróide proibido. Dr. Freeman, Team Sky e Wiggins sempre negaram e disseram que, na verdade, era um descongestionante legal. Eles, no entanto, não foram capazes de provar.

Por outro lado, a Agência Antidoping do Reino Unido não conseguiu provar o pacote contendo triancinolona.

Foto: YouTube

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes