Mais de 70 atletas são impedidos de participar do Mundial de Levantamento de Peso, no Turcomenistão

Mais de 70 levantadores de peso que não conseguiram registrar seu próprio paradeiro no banco de dados antidoping global foram barrados no Campeonato Mundial da Federação Internacional de Levantamento de Peso (IWF), que começou na quinta-feira (1º) em Ashgabat (TKM).

"Isso é muito decepcionante", disse Átila Adamfi, diretor-geral da IWF, que destacou que as federações devem conhecer todas as regras.

Outros atletas estão desaparecidos por diferentes razões - no caso de Fiji, é porque todos os principais levantadores do país se distanciaram de sua Federação Nacional e montaram seu próprio corpo não afiliado, o que significa que não podem competir internacionalmente.

O Azerbaijão, que teve quatro pontos positivos nos últimos seis meses, está enviando apenas dois atletas, enquanto a Malásia, que teve três, não está enviando nenhum.

Mas quando a competição começa na quinta-feira (1 de novembro), a IWF ainda espera uma entrada recorde de cerca de 650 atletas de 92 nações no Campeonato Mundial, o primeiro evento classificatório para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Com o lugar do levantamento de peso como um esporte olímpico depois de 2020 sob ameaça por causa de seu histórico de doping passado, a IWF introduziu regras de qualificação duras e uma nova política antidoping.

A IWF emitiu avisos freqüentes aos atletas e suas Federações Nacionais sobre a atualização de informações sobre o paradeiro no Sistema de Gestão e Administração Antidopagem (ADAMS), operado pela Agência Mundial Antidoping.

Apesar dessas advertências, que incluíram declarações públicas no site da IWF em junho e setembro e lembretes mensais, muitos atletas não conseguiram cumprir e não podem competir no Turquemenistão.

Acredita-se que a área mais afetada seja a Oceania, mas os atletas da Ásia, África, América do Sul e Europa também não cumpriram os requisitos.

"A IWF está determinada em proteger os atletas limpos não apenas introduzindo regras rígidas, mas também aplicando-as estritamente", disse Adamfi.

"A IWF monitora rigorosamente as informações de localização dos atletas antes dos eventos da IWF.

"Este ano, vários atletas não puderam competir em diferentes eventos em todo o mundo porque não cumpriram sua obrigação de localização."

"Recentemente sete atletas de seis países não puderam participar dos Jogos Olímpicos da Juventude, e é o mesmo aqui em Ashgabat, onde mais de 70 atletas de 26 países não podem competir."

"Isso é muito decepcionante, considerando que além da Política Anti-doping, que deve ser conhecida por nossos membros, as apresentações foram feitas nos Congressos da IWF e nos seminários de educação, e todos os meses enviamos a todas as federações membros um lembrete".

Houve mudanças no sistema ADAMS que, de acordo com muitos que estão nele, não são de fácil utilização - especialmente em partes do mundo onde as comunicações são difíceis.

"Mudou nos últimos seis a nove meses", disse Paul Coffa, secretário geral da Federação de Halterofilismo da Oceania.

"Tornou-se muito difícil para as ilhas que têm problemas com conexões de internet e telefones."

"Nomes de usuário e senhas não são mais enviados por e-mail, e você precisa baixar um aplicativo especial para escanear um código."

Algumas federações simplesmente não perceberam a importância do que estavam sendo contadas e, disse Coffa, "foi uma lição muito importante aprendida para os países do Pacífico".

Tom Goegebuer, presidente da federação belga e três vezes atleta olímpico, representa os atletas da Comissão de Esportes Limpos da IWF.

Ele disse que o sistema ADAMS mal tinha sido mudado em 10 anos e era "muito pouco amigável".

Ele acrescentou: "Há alguns problemas e precisa de atualizações e mudanças, mas a IWF está certa em aplicar uma regra uniforme para todos.

Em Fiji, parece não haver chance de um fim à disputa entre a Federação Nacional, baseada na capital, Suva, e os halterofilistas de elite, todos da ilha de Levuka.

Fiji é a nação anfitriã do Campeonato Mundial Júnior da IWF no ano que vem, mas não tem equipe internacional depois que os levantadores de elite afirmaram em comunicado que "decidiram se separar completamente do levantamento de peso e estabelecer uma nova organização".

Os levantadores reclamaram de "táticas de intimidação e desrespeito" da diretoria da WF, liderada por Atma Maharaj, que suspendeu os atletas.

Os atletas dizem que foram pressionados com "táticas de intimidação e desrespeito" da diretoria da WF, liderada por Atma Maharaj, que suspendeu os atletas quando eles se recusaram a se mudar para Suva para treinamento sob um novo técnico iraniano.

Maharaj refuta suas alegações e disse que os atletas foram "manipulados por outros com uma agenda".

A maior vítima da disputa é a excepcional adolescente Eileen Cikamatana, que treina no Instituto Oceania, na Nova Caledônia, e que teria sido uma contendora de medalha de ouro em Ashgabat, na nova categoria de 81 quilos.

Cikamatana, de 19 anos, foi medalhista de prata no Mundial Júnior no ano passado, e é campeão da Oceania e dos Jogos da Commonwealth na extinta classe de 90 kg.

O resultado mais provável agora parece ser que o Cikamatana irá competir sob outra bandeira, já que ela teve ofertas para mudar de nacionalidade.

Foto:IWF

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes