Coluna Surto Mundo Afora #32

 Por Bruno Guedes

Tênis
No topo do mundo aos 21 anos. Foi assim que o alemão Alexander Zverev terminou seu domingo ao ser campeão do simples masculino no ATP Finals, após vencer o atual número um do mundo Novak Djokovic. 

Enquanto os especialistas do mundo do tênis discutem sobre a renovação do esporte e quem vai assumir o legado atual, o jovem deu o seu cartão de visitas. Último torneio do ano e chamado de "tira-teima", Zverev conseguiu não só derrotar o líder do ranking, como superou Roger Federer na semifinal, por 7-5 e 7-6.

Atual número cinco do mundo, o alemão é tratado como um fenômeno pelos amantes da bolinha amarela. Mesmo sem vencer nenhum grand slam no ano, Alexander conquistou os ATP 250 de Munique, ATP Masters 1000 de Madri e ATP 500 de Washington. Além disso, foi vice-campeão dos ATP Masters 1000 de Miami e ATP Masters 1000 de Roma. Nesta última final acabou derrotado por Rafael Nadal.

A vitória sobre Djoko não é novidade, ele o superou no Masters 1000 de Roma em 2017, mas causa um alvoroço maior agora. Isto porque, teoricamente, o ATP Finals é o torneio onde os mais fortes tenistas chegam sem precisar disputar tantas chaves e partidas. Ainda que desgastados fisicamente por causa da temporada, é uma espécie de "arena dos leões".

Quem não conhecia Alexander Zverev, agora já o conhece. E deve mesmo prestar atenção, porque é o futuro já no presente.

Beisebol
Anfitrião da próxima Olimpíadas, um selecionado do Japão venceu a série contra um time da MLB, a liga profissional dos Estados Unidos, na última semana. Chamada de Japan All-Star Series e disputada em Nagoya, a equipe Samurai Japan bateu a MLB All-Stars por 5 jogos a 1.

As duas equipes foram formadas por jogadores que disputaram as últimas temporadas em suas respectivas ligas, porém sem os grandes nomes em ambos os lados. Mesmo assim, jogadores titulares em equipes de ponta fizeram parte das partidas.

Apesar de ser uma sequência de amistosos, principalmente visando aumentar as relações esportivas dos países, o resultado é uma importante vitrine sobre como estas potências do beisebol chegarão em Tóquio 2020. Isto porque, com a temporada a pleno vapor na MLB, os americanos devem enviar jovens das Ligas Menores, chamadas de MiLB, porém os japoneses prometem mesclar alguns dos seus nomes importantes.

Além de Japão e Estados Unidos, Cuba, Venezuela e República Dominicana são outros países considerados favoritos ao ouro olímpico.


Hóquei na Grama
Mesmo com as seleções poupando jogadoras importantes, a Champions Trophy, última disputa entre países no ano, sacramentou o que se desenhava desde o fim das Olimpíadas do Rio. Questionava-se, desde o ouro da Grã Bretanha sobre a favoritíssima Holanda, até onde aquela disputa foi uma zebra ou mudança de rumos. As holandesas responderam: foi um jogo atípico.

Atual campeã mundial e vice olímpica, a Holanda domina por completo esse ciclo para Tóquio 2020 e novamente repete as performances na China, onde acontece o torneio. Apesar de usar um time muito jovem e sem suas grandes estrelas, como Welten que se recupera de lesão e outras poupadas, a Oranje sobra frente às adversárias.

No último domingo impôs uma goleada por 3 a 0 sobre Las Leonas e aumentou a crise na Argentina. O que durante os anos 2000 e parte de 2010 se tornou a maior rivalidade do esporte, agora parece estar bem desequilibrado. Desde que a lendária Luciana Aymar se aposentou, em 2015, as argentinas nunca mais disputaram um torneio em alto nível e venceram as holandesas. 

Apesar de contar com a melhor jogadora do mundo, Delfina Merino, e o time completo, a Argentina esbarra em um conjunto que não consegue ter força ofensiva e sofre muito em sua defesa. E isso vem afetando até mesmo o desempenho de jovens talentos, como a promissora Granatto.

Já as britânicas, atuais campeãs olímpicas, seguem oscilando. Desde o ouro no Rio não repetiu seus desempenhos seguros e fatais nos momentos decisivos. Foi derrotada pela Austrália e empatou com a fraca seleção da China. Isso tudo após perderem em casa o Mundial, em julho.

Por falar nas australianas, a antiga potência do hóquei está em franca ascensão. Após bons duelos na Copa do Mundo, onde foi a quarta colocada, a Hockeyroos, como são conhecidas, estão apresentando ótimos jogos e se colocando como postulantes a uma medalha em Tóquio. 

Esta é a 23ª e última edição do Champions Trophy. Em 2019 a Liga Profissional vai dar lugar ao tradicional torneio de fim de ano. Mas parece que só isso vai mudar para os próximos anos, porque em campo as holandesas seguem dominando.
Foto: Getty Images
 

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes