Prata na maratona do Rio 2016, Feyisa Lilesa retorna a Etiópia após dois anos de exilio

791 dias depois que Feyisa Lilesa levantou os braços em protesto ao governo etíope enquanto cruzava a linha de chegada na conquista da medalha de prata na maratona olímpica de 2016 no Rio de Janeiro, ele voltou a morar em Addis Ababa.

"Eu sabia que esse dia estava chegando porque sei que o sangue derramado por todas essas pessoas não seria em vão", disse ele à Reuters.

Quando ele cruzou os braços em uma formação X mais de dois anos atrás, Lilesa enviou uma mensagem mundial de que ele estava em solidariedade com seu povo Oromo. Os Oromo são o maior grupo étnico da Etiópia e, no momento da manifestação de Lilesa, centenas de pessoas Oromo estavam sendo mortas devido a uma disputa sobre o plano do governo etíope de expandir o território da capital para terras agrícolas. O governo eventualmente se livrou de seus planos de desenvolvimento, mas protestos, manifestações e assassinatos continuaram nas mãos das forças de segurança do governo.

Em 21 de agosto de 2016, Lilesa entrou em exílio após ter dito a repórteres no Rio: “Se eu voltar para a Etiópia, talvez eles me matem”, durante a coletiva de imprensa da maratona olímpica.

Em meio à mudança, o chefe do comitê olímpico etíope, Ashebir Woldegiorgis, e a lenda da maratona Haile Gebrselassie escreveram uma carta aberta em agosto convidando Lilesa a voltar à Etiópia com “boas-vindas de herói”. Lilesa e algumas pessoas próximas a ele passaram as últimas 10 semanas organizando seu retorno ao país.

Após seu retorno, Lilesa disse aos jornalistas que ele planeja continuar treinando. Um retorno à normalidade poderia render melhores resultados em corridas, mas suas pernas nunca o levarão mais longe do que a mensagem que ele enviou com dois braços cruzados após a maratona na Rio 2016.

Foto:Getty Images


Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes