Mundial de Ginástica Artística 2018 – Dia 2


Pelo terceiro mundial consecutivo, o Brasil vai à final em equipes (masculina) na ginástica artística, além de ter marcado presença na final dos Jogos Olímpicos do Rio/2016. Com a força dos ginastas Nory, Zanetti, Caio Souza, Francisco Barretto, Lucas Bitencourt (Leonardo Souza foi reserva), o país se consolida entre as principais potências do esporte. Além da grande performance por equipes, os brasileiros se garantiram em outras três finais: Zanetti foi o 2º na qualificatória das argolas, Caio Souza 6º no salto e, levando em consideração a cota por país de dois atletas nas finais, vai em 9º para a final do individual geral.

Vejamos os resultados de hoje:

EQUIPES MASCULINAS

E ninguém conseguiu alcançar a Rússia, que se apresentou no primeiro dia de competição e se manteve em primeiro por equipes. A China ficou a frente em vários aparelhos, mas a diferença de notas entre as equipes no solo pesou a favor dos russos, 43.533 (RUS) x 41.566 (CHN), garantindo o primeiro lugar para as finais. O Japão, atual campeão olímpico (Rio/2016) e mundial (Glasgow/2015) ficou apenas em terceiro, bem distante dos líderes.  

1) Rússia: 258.402
2) China: 257.836
3) Japão: 253.312
4) Estados Unidos: 250.362
5) Grã-Bretanha: 249.836
6) Brasil: 246.961 (18º no solo - 40.765, 12º no cavalo com alças - 36.966, 4º nas argolas - 42.299, 5º no salto - 43.333, 10º nas barras paralelas - 42.332, 5º na barra fixa - 41.266)
7) Holanda: 245.663 (primeira final por equipes de sua história)
8) Suíça: 245.186

Equipes fortes ficaram de fora, como a Ucrânia em 9º (finalista no Rio/2016), Alemanha em 10º (finalista no Rio/2016) e Coreia do Sul em 13º (finalista no último mundial por equipes).

Lembrando que as equipes que forem ao pódio, estarão automaticamente classificadas para a Olimpíada de Tóquio/2020. Outros eventos qualificatórios serão realizados em 2019 e 2020. O mundial de 2019, por exemplo, dará outras 9 vagas para Tóquio/2020. É importante lembrar, ainda, que apenas as 24 melhores equipes do mundial de Doha se garantiram no mundial do ano que vem. Além das equipes acima, disputarão as vagas olímpicas no mundial de Stuttgart/2019, na Alemanha: Espanha (9º), França (12º), Itália (14º), Turquia (15º), Cazaquistão (16º), Taipei (17º), Canadá (18º), Bélgica (19º), Hungria (20º), Romênia(21º), Noruega (22º), Finlândia (23º) e Bielorússia (24º).

Outros dois representantes da América do Sul disputaram o mundial por equipes e ficaram longe da classificação. A Colômbia terminou em 31º e a Argentina apenas em 40º, entre 46 selecionados.

INDIVIDUAL GERAL


Hoje foram conhecidos os 24 ginastas mais completos do mundo, que disputarão a final na próxima semana. Respeitando o limite de dois atletas por país na final. O atual campeão mundial Xiao Ruoteng (CHN) garantiu o primeiro lugar na classificação. Caio Souza estará nas disputas pela medalha também. Kohei Uchimura, hexacampeão mundial e campeão olímpico, decidiu participar de apenas alguns exercícios, devido ter torcido o tornozelo há um mês.

Estes são os finalistas:

1) Xiao Ruoteng (CHN): 87.332
2) Nikita Nagornyy (RUS): 87.098
3) Samuel Mikulak (USA): 86.598
4) Artur Dalaloyan (RUS): 84.572
5) Sun Wei (CHN): 84.007
6) Kenzo Shirai (JPN): 83.864
7) Lio Chaopan (CHN): 83.464 (não classificado, em razão do limite de atletas por país)
8) David Belyavskiy (RUS): 83.332 (não classificado, em razão do limite de atletas por país)
9) James Hall (GBR): 83.198
10) Kaya Kazuma (JPN): 82.915
11) Caio Souza (BRA): 82.331
12) Nestor Abad (ESP): 81.507
13) Brinn Bevan (GBR): 81.291
14) Carlos Edriel Yulo (PHI): 81.230
15) Ahmet Onder (TUR): 80.999
16) Pablo Braegger (SUI): 80.764
17) Lukas Dauser (GER): 80.539
18) Oleg Verniaiev (UKR): 80.522
19) Yul Moldauer (USA): 80.365
20) Oliver Heigi (SUI): 80.248
21) Andrei Vasile Muntean (ROU): 80.244
22) Minsoo Park (KOR): 79.965
23) Rene Cournoyer (CAN): 79.698
24) Marcel Nguyen (GER): 79.697
25) Ferhat Arican (TUR): 79.465
26) Marios Georgiou (CYP): 79.332

O outro brasileiro na disputa do individual geral era Lucas Bittencourt, que ficou apenas na posição 65º. Uma menção honrosa para Petrix Barbosa. O brasileiro, sem espaço na ginástica no país, naturalizou-se português e disputou o mundial com os lusos. Ele ficou na posição 82º no individual geral com 73.258.

DISPUTAS POR APARELHOS

Grandes estrelas da ginástica mantiveram a hegemonia nos aparelhos. Três campeões olímpicos do Rio: o britânico Max Whitlock (cavalo com alças), o grego Eleftherios Petrounias (GRE) e Ri Se Gwang, da República Popular Democrática da Coréia (Vault), continuaram sua supremacia e terminaram o dia classificados para a final em primeiro lugar. O campeão olímpico de barras paralelas Oleg Verniaiev (UKR) ficou em segundo lugar, atrás de Zou (CHN). Uchimura, o campeão mundial de 2015 na barra fixa, qualificou-se em primeiro, deixando o campeão olímpico de 2012, Epke Zonderland (NED), para trás.

A Rússia é o único país que terá representantes em todos os exercícios nas finais. São 10 ao total. Enquanto isso, o Brasil conseguiu atingir duas finais: no salto e nas argolas.

SOLO

1) Artur Dalaloyan (RUS): 14.833
2) Kenzo Shirai (JPN): 14.833
3) Nikita Nagornyy (RUS): 14.800
4) Carlos Edriel Yulo (PHI): 14.766
5) Ahmet Onder (TUR): 14.533
6) Yul Moldauer (USA): 14.433
7) Artem Dolgopyat (ISR): 14.400
8) Kazuma Kaya (JPN): 14.333
8) Samuel Mikulak (USA): 14.333

Prova tradicional do Brasil, nossos ginastas não tiverem um grande desempenho. Arthur Nory foi melhor com 13.966, ficando em 26º. Caio Souza 13.555 (65º), Lucas Bittencourt 13.266 (88º) e Arthur Zanetti (106º), formaram a equipe que disputou o aparelho.

CAVALO COM ALÇAS

1) Max Whitlock (GBR): 14.966
2) Xiao Ruateng (CHN): 14.633
3) Nariman Kurbanov (KAZ): 14.466
4) Cyril Tommasone (FRA): 14.241
5) Samuel Mikulak (USA): 14.133
6) Nikita Nagornyy (RUS): 14.000
7) David Belyavskiy (RUS): 14.000
8) Kai Lee Chin (TPE): 13.700

O melhor brasileiro no aparelho (o terror das qualificatórias) foi Francisco Barretto, que terminou a prova em 11º (13.500) e, assim, ficou como 3º reserva. Arthur Nory (48º com 12.300), Caio Souza (107º com 11.166) e Lucas Bittencourt (128º com 10.700), foram os brasileiros que disputaram as provas.

ARGOLAS

1) Eleftherios Petrounias (GRE): 15.266
2) Arthur Zanetti(BRA): 15.033
3) Artur Tovmasian (ARM): 14.866
4) Igor Radivilov (UKR): 14.733
5) Vahagn Davtyan (ARM): 14.666
6) Marco Lodadio (ITA): 14.666
7) Nikita Simonov (AZE): 14.633
7) Nikita Nagornyy (RUS): 14.633

As argolas foi o melhor aparelho para os brasileiros. Caio Souza ficou em 11º (14.433), figurando na 3ª reserva. Francisco Barreto em 99º (12.833) e Lucas Bittencourt na posição 106 (12.766).

Com a ótima nota obtida nas qualificatórias, Arthur Zanetti se credencia de vez ao pódio. Ele ficou em segundo com uma boa margem para o terceiro e quarto, mas alcançar o grego também vai ser difícil. Petrounias fez uma apresentação irretocável. Vamos ficar na torcida.

SALTO

1) Ri Se Gwang (PRK): 14.966
2) Artur Dalayoyan (RUS): 14.766
3) Artur Davtyan (ARM): 14.750
4) Nikita Nagornyy (RUS): 14.683
5) Dominick Cunningham (GBR): 14.616
6) Caio Souza (BRA): 14.583
7) Kenzo Shirai (JPN): 14.556
8) Wai Hung Shei (HKG): 14.533

Para chegar à final desse aparelho, são necessários dois saltos. Apenas Caio disputou vaga para a final. E conseguiu. Foi a segunda final assegurada pelo Brasil. Todas as notas ficaram bem próximas. O brasileiro ficou a menos de 0.200 do pódio e pode surpreender. Nory fez 14.500, Lucas Bittencourt 14.200 e Zanetti 14.166.

BARRAS PARALELAS

1) Zou Jingyuan (CHN): 15.800 (maior nota entre todos os aparelhos)
2) Oleg Verniaiev (UKR): 15.458
3) Lio Chaopan (CHN): 15.266
4) Jossimar Calvo (COL): 15.100
5) Artur Dalaloyan (RUS): 15.041
6) David Belyavskiy (RUS): 15.033
7) Samuel Mikulak (USA): 15.033
8) Xiao Ruateng (CHN): 15.000 (não está classificado automaticamente por haver dois chineses com melhores notas)
9) Nikita Nagornyy (RUS): 14.966 (não está classificado automaticamente por haver dois russos com melhores notas)
10) Lukas Dauser (GER): 14.933

No aparelho, Caio Souza obteve o melhor desempenho: 15º com 14.766. Arthur Nory ficou em 46º com 13.933, Lucas Bittencourt em 69º com 13.633 e Francisco Barreto em 75º com 13.533.

BARRA FIXA

1) Kohei Uchimura (JPN) : 14.600
2) Samuel Mikulak (USA): 14.566
3) Xiao Ruoteng (CHN): 14.433
4) Epke Zonderland (HOL): 14.400
5) Tin Srbic (CRO): 14.300
6) Deng Shudi (CHN): 14.300
7) Tang Chia-Hung (TPE): 14.200
8) Artur Dalaloyan (RUS): 14.166

Com a mesma nota de Artur Dalaloyan (RUS), Manrique Larduet (CUB) não conseguiu e classificar, devido sua nota na execução ser menor. Francisco Barretto, finalista na Rio/2016, fez 14.000 e ficou em 15º no aparelho, o melhor brasileiro. Caio Souza fez 13.800 e ficou na 23º colocação. Finalista em Glasgow, nesse aparelho, Arthur Nory fez 13.444, terminando em 35º. Lucas Bittencourt ficou nas últimas colocações (170º), com a nota de 11.400.

BRASIL EM QUATRO FINAIS

Ao fim das qualificatórias masculinas, o Brasil conseguiu 4 finais: por equipes, no individual geral com Caio Souza, no salto também com Caio Souza e nas Argolas com Zanetti. As finais serão disputadas a partir da segunda-feira. Amanhã, as mulheres iniciam as disputas. As brasileiras tentam vagas nas finais apenas no domingo.

Foto: RicardoBufolin/PanamericaPress/CBG

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes