Duas vezes campeão mundial de boxe admite que a retirada do esporte do programa olímpico seria lastimável

O bicampeão mundial dos pesos médios, Hassan N'Dam N'Jikam, afirmou que seria uma "situação lastimável" para o boxe se o esporte fosse retirado do programa olímpico.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) advertiu a Gafur Rakhimov, do Uzbequistão, que sua candidatura a presidente da Associação Internacional de Boxe (AIBA) colocou o lugar do boxe no programa olímpico em risco. Acontece que o uzbeque está na lista de sanções do Departamento do Tesouro dos EUA como "um dos principais criminosos do Uzbequistão”.

Tal situação tem culminado em uma crise que levou o COI a esfriar as relações com a AIBA (Associação Internacional do Boxe Amador), exceto em um nível operacional.

O Congresso da AIBA está programado para ocorrer em Moscou (RUS) nos dias 2 e 3 de novembro. Dele se espera que seja fornecido relatório conclusivo ao COI.

Será crucial determinar se o boxe mantém seu lugar no programa em Tóquio 2020 ou se o COI remove o reconhecimento da AIBA como o órgão que rege o boxe amador.

O lutador camaronês-francês N'Dam N'Jikam, que competiu nas Olimpíadas pela primeira vez em Atenas/2004, antes de se tornar um dos poucos profissionais a participar do Rio/2016, afirmou que a remoção do boxe seria um grande golpe para o esporte.

"Eu acho que se o boxe não estiver representado nas Olimpíadas, será uma situação ruim para o esporte", acrescentou.

"É a melhor preparação para se tornar um profissional. Então, eu acho que o boxe deve ser representado nos Jogos Olímpicos, como todos os outros esportes."

Os pugilistas profissionais estavam livres para competir no Rio/2016 depois que uma moção histórica foi aprovada em um Congresso Extraordinário da AIBA, em junho daquele ano.

O boxe foi o último de todos os esportes de verão ou de inverno a tomar essa decisão, o que significa que não há mais nenhuma proibição de atletas profissionais competindo nos Jogos Olímpicos.

O movimento, citado como uma prioridade crucial pelo então presidente da AIBA, CK Wu, não era tão popular, uma vez que representava alguns riscos de insucesso, devido a incompatibilidade entre amadores e profissionais menos experientes.

N'Dam N'Jikam foi surpreendentemente derrotado pelo boxeador amador brasileiro Michel Borges, na primeira rodada da competição masculina de meio-pesados.

Mesmo que o boxe mantenha seu lugar no programa olímpico, o pugilista de 34 anos descartou a possibilidade de competir novamente.

"Eu acho que é uma situação diferente, porque no amador você se concentra em três rounds de três minutos e no profissional, no nível mais alto, você tem 12 rounds de três minutos", disse o bicampeão mundial.

"Quando você faz esse retorno para os três rounds, é complicado. É um desafio diferente. Por isso que eu aceitei antes, mas depois dessa experiência, não quero voltar novamente".

Diante o impasse, Rakhimov deu a entender que pode se afastar, mesmo que seja eleito presidente da AIBA, caso as "questões" com o COI e o lugar do esporte no programa Tóquio 2020 continuem em pauta após o Congresso do próximo mês.

O uzbeque, que é atual Presidente Interino e favorito para assumir o posto de forma permanente, assegurou que a AIBA e o boxe olímpico "são mais importantes que qualquer candidato e isso me inclui".

Rakhimov nega irregularidades e tentou colocar a culpa em sua situação pessoal com Gulnara Karimova, filha do ex-presidente do Uzbequistão, Islam Karimov.

Segundo o candidato, Karimova foi presa em várias acusações de corrupção em 2015, e seu grupo de "comparsas" foi responsável por fornecer as "falsas" alegações ao Departamento do Tesouro dos EUA.

Ele alegou que ela orquestrou uma "campanha de desinformação contra mim" e "usou as alavancas do Estado para me assediar".

Em julho, Rakhimov foi retirado de uma lista de supostos criminosos que foram presos caso entrassem no Uzbequistão.

O candidato prometeu aos membros do COI que o boxe seria "parte dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 - como parte de Jogos de Paris 2024, os Jogos de LA 2028 e quaisquer futuros Jogos Olímpicos".

Ele ainda pode ser o candidato único à presidência, haja vista que a candidatura de Serik Konakbayev foi retirada da lista de eleições pela AIBA.

Konakbayev interpôs recurso para o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) por causa de sua exclusão, o que ele alega ser injusto, pois apresentou os formulários de indicação antes do prazo final.

O TAS deve anunciar uma decisão em 30 de outubro e Konakbayev foi autorizado a retomar sua campanha até que seja dirimida a situação.

Foto: InsideTheGames


Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes