Chefe executivo da ASADA pede investigação independente sobre 'bullying' da WADA contra ex-membro da agência

O diretor-executivo da Autoridade Australiana de Antidoping de Esportes (ASADA), David Sharpe, pediu à Agência Mundial Antidoping (WADA) que tenha as denúncias de bullying de seu próprio executivo, independentemente investigadas.

Os telefonemas de Sharpe vêm na esteira das alegações feitas pela presidente do Comitê de Atleta da WADA, Beckie Scott, de que ela foi "intimidada" por oficiais do Movimento Olímpico na reunião em que a Agência Antidopagem Russa (RUSADA) foi restabelecida.

Scott disse à BBC Sport que ela foi "desrespeitada" pelos membros do Comitê Executivo da WADA nas Ilhas Seychelles.

O canadense demitiu-se do Comitê de Revisão de Conformidade (CRC), supervisionando o potencial retorno da RUSADA quando recomendou que o país atingido pelo escândalo não fosse reintegrado.
Esta decisão foi carimbada por membros do Comitê Executivo da WADA que votaram 9 a favor da restituição em 20 de setembro.

Sharpe disse em um comunicado que "a intimidação não tem lugar na sociedade e é repugnante pensar que uma figura respeitada, como Ms Scott, tenha enfrentado tal comportamento alegado por altos funcionários da WADA".

O chefe da Agência de Anti-Doping dos Estados Unidos (USADA), Travis Tygart, também apoiou Scott, alegando que seus comentários apresentam uma "reflexão condenatória e precisa do frágil estado do sistema antidoping global liderado pela WADA".

A RUSADA não estava em conformidade com a WADA desde 2015, quando surgiram as denúncias de doping patrocinado pelo Estado no país, mas as autoridades esportivas do Movimento Olímpico pressionaram para que isso fosse revertido.

Foto:Getty Images

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes