Brasil estreia nesta quarta-feira pelo Sul-Americano de Vôlei feminino Sub-20

A hegemonia do voleibol feminino de base do Brasil na América do Sul será posta à prova a partir desta quarta-feira (17.10), em Lima (PER), com a realização do XXIV Campeonato Sul-Americano sub-20 feminino. Com 19 títulos as brasileiras são as maiores vencedoras da competição, que tem somente o Peru, com quatro ouros, como outro vencedor na história. Além do título, a competição classificará as duas melhores equipes para o Mundial da categoria, que acontece no México em 2019.

Apesar do amplo retrospecto favorável, já que o Brasil não perde um torneio continental na categoria desde 1988, o treinador da seleção brasileira, Wagner Copini, o Wagão, acredita em um equilíbrio de forças, mas está confiante no bom desempenho das brasileiras.

“A expectativa é muito positiva, nos preparamos bem para a competição, fizemos amistosos contra equipes adultas e o desempenho foi bom. Acredito que a nossa equipe já esteja jogando com uma consistência boa, mas acredito que iremos auferir isso ne competição aqui. Temos ciência da dificuldade que enfrentaremos, pois Argentina, Peru e Colômbia são três equipes que considero concorrentes diretas pela vaga no mundial, e estão se preparando forte desde abril. São equipes que estão treinando e até mesmo competindo há seis meses. Independentemente disso estamos confiantes, pois a equipe demonstrou bom equilíbrio e volume de jogo, vamos fazer um bom papel”, disse o treinador.

O Sul-Americano terá oito equipes da briga pelo título, divididas em dois grupos. No grupo A estão as peruanas, donas da casa, além das seleções do Uruguai, do Chile e do Equador. O Brasil está no grupo B junto de Bolívia, Colômbia e Argentina. As bolivianas serão as adversárias da estreia nesta quarta-feira, às 16h (horário de Brasília). Para Wagão a ordem dos confrontos na primeira fase ajudará na aquisição de ritmo de jogo para o time brasileiro.

“Nosso grupo é bastante difícil com três equipes candidatas à vaga no mundial. De certa forma, a ordem dos nossos jogos até nos favorece, o primeiro adversário será a Bolívia, que tem menos experiência internacional, o que é bom para nós, já que temos algumas atletas que ainda não jogaram pela seleção, e jogar contra um adversário mais frágil, quebra essa tensão da estreia. A Colômbia é um time que tem jogadoras que já atuam entre as adultas, tem uma rodagem maior. E a Argentina é o mesmo grupo jogando junto há algum tempo e em evolução. Acho que essa sequência nos dará um bom ritmo de jogo”, comentou Wagão.


A delegação brasileira no Sul-Americano em Lima é composta pelas levantadoras Rose Nogueira (1,73m) e Nicole Drewick (1,82m); as opostas Jheovana Sebastião (1,88m), Kisy Nascimento (1,87m) e Daniela Cecheto (1,83m); as ponteiras Beatriz Santana (1,79m), Tainara Santos (1,86m) e Julia Bergmann (1,91m); as centrais Laura Kudiess (1,72m), Daniela Seibt (1,88m) e Larissa Besen (1,88m); e a líbero Keyla Ramalho (1,63m).

Foto: CBV


Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes