Surto Entrevista - Diogo Portela

Por Juvenal Dias, Kaique Oliveira, Marcos Antônio e Regys Silva



Muitos podem se perguntar, Dardos é esporte? "Sim e nosso maior expoente deste esporte que cresce cada vez mais em popularidade na Europa é Diogo Portela, de 30 anos, que largou tudo no Rio de Janeiro, para ir à Londres com a finalidade de entrar no circuito profissional,no qual se faz presente há dois anos. Na Copa do mundo de Dardos, ele colocou o Brasil entre os dezesseis melhores do mundo nas duplas (com Alexandre Sattin, em 2017, e Bruno Rangel, em 2018) e venceu seu primeiro torneio profissional de simples em 2018". Em entrevista ao Surto olímpico, o 'Brazilliant' - seu apelido no esporte - explica tudo sobre o esporte de dardos e suas competições de maneira bem didática, além de seus feitos na carreira e convida você a praticar o esporte. confira: 


- Como você conheceu o dardo como modalidade esportiva e Em que momento você percebeu que levava jeito para o esporte?

O dardo começou pra mim quando eu tinha 14, 15 anos. Meu pai, português, jogava dardos quando era garoto no Pub em que trabalhava em Lisboa. Quando se mudou pro Rio encontrou alguns poucos Pubs onde tinha alvo. Junto com os jogadores locais, abriram a primeira federação de dardos no Rio. Meu pai se separou da minha mãe quando eu tinha 2 anos e foi morar em São Paulo. Normalmente, nos víamos apenas 10 dias no ano, quando estava de ferias da escola, e ele do trabalho. Então, sentindo essa distancia que tinha do meu pai eu decidi começar a jogar dardos para segui-lo nos torneios brasileiros, mas sem perspectiva nenhuma de me tornar um jogador profissional - A intenção era única: Ficar pelo menos um final de semana por mês ao lado do meu pai. 

Depois de algum tempo, entrei na faculdade e não dei muita atenção para os dardos, mas quando terminei meu curso de economia em 2010 eu voltei a jogar e comecei a treinar para desafiar os 'tops' do brasil. E já naquele ano consegui me classificar para a Copa do Caribe na seleção principal. Mas foi em 2012 que realmente eu percebi que poderia conseguir algo a mais com os dardos. Novamente, classificado para a Copa do Caribe e Copa America, comecei a treinar com uma jogadora do Rio, Mônica Ribeiro. Sessões de 3 a 4 horas, entre 3 e 5 dias na semana durante 6 meses foi a nossa preparação para a competição. 

E o resultado não podia ser melhor: Mônica ganhou o individual feminino (a melhor colocação de uma mulher brasileira antes tinha sido quartas de final senão me engano) e eu fui derrotado na final (também nenhum brasileiro antes tinha chegado na final). Mas o nível apresentado durante todo o torneio foi muito alto, então comecei a juntar dinheiro para sair do Brasil e seguir meu sonho. Me mudei para Londres em julho de 2014 com minha esposa e hoje jogo há dois anos no circuito profissional de dardos.

- Como funciona a mecânica do jogo? Como é o sistema de competição de um torneio e como é uma temporada de competições durante o ano?

O jogo começa de 501 pontos. Cada jogador usa 3 dardos por jogada e o objetivo e chegar a zero primeiro. Cada jogo de 501 pontos e chamado de 'Leg' e as partidas são normalmente melhores de 5 'Legs' (quem chegar a 3 pontos primeiro), ou se você jogar profissionalmente, melhores de 11 'Legs' (quem chegar a 6 pontos primeiro). O alvo é dividido em 20 fatias - cada fatia tem sua pontuação entre 1 e 20 pontos, porem em cada fatia existe partes especificas para duplicar e triplicar sua pontuação (duplo 20 vale 40 pontos, tripo 19 vale 57 pontos e assim por diante). O centro do alvo e dividido em 2 partes. O circulo de fora vale 25 pontos e o centro vale 50 pontos. Cada 'Leg' só acaba quando o jogador acerta o numero de pontos exatos que restam, mas o ultimo dardo tem que necessariamente ser no duplo. 

Exemplo:

Jogador 1 começa com 501 pontos e na primeira rodada acertou Triplo 20, 20 e 20 com os seus 3 primeiros dardos. Ele fez um total de 100 pontos e agora restam 401 pontos para acabar aquele leg. No decorrer do jogo, você tem que preparar sua pontuação para um número par, e depois sim poderá ganhar o 'Leg'. Vamos supor que eu preparei 40, então tenho que acertar o Duplo 20. Mas se no meu primeiro arremesso eu acertar o 20 simples, vai me restar 20 pontos, então eu tenho que mudar o meu objetivo para o Duplo 10, e assim sucessivamente. 

A temporada profissional consiste em três tours diferentes, basicamente. O primeiro tour é chamado de Pro Tour, que são 22 torneios com 128 jogadores em 11 finais de semana (um torneio sábado e outro domingo), com mais de £70 mil em prêmios, cujo campeão de cada torneio ganha £10 mil. O segundo tour e chamado de European Tour, são 13 torneios no ano, transmitidos na televisão de toda Europa e com prêmios muito maiores (o vencedor de cada um desses leva £25 mil pra casa). Para jogar,  você precisa se classificar através de outros torneios. 

O ultimo tour é chamado de UK Open - são seis torneios classificatórios onde até amadores podem participar. Os 128 melhores ranqueados se classificam para o UK Open Finals e cada fase o sorteio é feito novamente, o que dá maior chance aos jogadores amadores conseguirem avançar algumas fases e ganhar um premio um pouco maior - o vencedor desse torneio ganha £50 mil. 

Todos esses 'Tours' juntos classificam para outros torneios, como o World Series, Grand Slam, Premier League e o Mundial no final do ano, esse ano o prêmio para o campeão mundial chega a £500 mil. Nada mal, né?

Para quem não é profissional, existe o Challenge Tour - Como se fosse a segunda divisão dos dardos. São vinte torneios em cinco finais de semana no ano (quatro torneios por final de semana, dois no sábado e dois no domingo). O vencedor de cada um recebe £2 mil. 

E para menores de 23 anos também existe o Development Tour, que funciona exatamente igual ao Challenge Tour, porém com restrição da idade. 


- Como é a rotina de treinamento de um atleta de dardos? Qual a popularidade do esporte no mundo, especialmente na Europa?

A rotina de treinamento varia muito do nível do atleta. No meu caso que ainda estou começando, sou um jogador mediano no tour profissional, eu treino entre quatro e oito horas por dia, três dias na semana, e disputo pelo menos um torneio todo final de semana, e às vezes chega até quatro! O esporte tem crescido muito na Europa e no mundo todo e algumas semanas atrás chegamos a ter um torneio no Estadio de Futebol do Schalke 04, na Alemanha com mais de 20 mil espectadores! A media de publico varia de 3 a 10 mil pessoas dependendo do torneio, e ha algumas exceções como esse que citei.


- Há muitos brasileiros no circuito mundial tanto masculino como feminino? Você vê alguma chance do esporte crescer no Brasil algum dia e espera deixar algum legado para isso?

O Brasil ainda esta engatinhando no esporte, hoje em dia apenas eu jogo o circuito profissional e meu irmão que mora comigo joga o Development Tour citado acima. Mas nos últimos quatro anos a gente tem conseguido bastante mídia mundial e alguns poucos patrocinadores locais, mas que já dão muita ajuda - uns oferecem sala de hotel para realização do torneio, outros troféus para os campeões, e assim a gente vai juntando tudo, guardando algum dinheiro para prêmios e conseguindo expandir o tour no Brasil cada vez mais. Ha 4 anos atrás, Sven Costa Schneider fundou a SADC (South American Darts Corporation) onde tínhamos apenas um final de semana de dardos no ano, em Palmas. Esse ano aumentamos para 5 finais de semana, com 8 torneios por final de semana e prêmios em dinheiro em todos os torneios em Cidades como Nova Friburgo-RJ, Tatuí-SP, e Santiago (CHI) foram novidades no circuito. Temos planos de aumentar o número de torneios no ano e fazer um tour na America do Sul, adicionando Argentina e outros países no calendário, mas ainda é pouco se quisermos aumentar o numero de jogadores no circuito mundial. Precisamos de mais apoio, precisamos colocar partidas na TV, por exemplo, para atrair patrocinadores maiores e consequentemente aumentar a premiação dos torneios.

- Como você é visto pelos estrangeiros, tendo em vista que o Brasil não tem tradição no esporte?

É uma novidade boa para eles. Eles me apoiam muito e eu tenho todo suporte da PDC (Professional Darts Corporation) em qualquer problema que eu tenho. Meus resultados são muito bons para quem esta apenas começando no cenário profissional e eles tem aberto portas para o Brasil: Jogamos as ultimas duas Copas do Mundo profissionais, com um classificatório no Brasil para o segundo jogador (eu sendo profissional sou classificado automaticamente pelo ranking). Em ambas ganhamos o primeiro round, o que mostra que podemos ser bastante competitivos. Cada um da dupla brasileira levou £4 mil em prêmios, mesmo perdendo no segundo round. O torneio foi televisionado para o mundo todo. Jogamos num estadio para cinco mil pessoas - foi uma experiencia fantástica!

- Você já sofreu com algum preconceito quando fala que é atleta de dardos, já que muitos veem o dardo apenas como apenas como uma simples recreação?

Sem duvida nenhuma é estranho, mas nunca sofri preconceito por isso. Mas eu também levo tudo na esportiva, prefiro rir e fazer piada mesmo do que tentar fazer os outros levarem a sério como eu levo. Cada um tem suas prioridades e faz o melhor pra si mesmo. Eu tô tentando desbravar esse caminho e abrir portas para outros brasileiros que querem o mesmo. 

- Tem esperança de que o esporte se torne olímpico no futuro?

Realmente tem essa "briga" para trazer mais visibilidade ao esporte, mas eu não sei como anda em termos oficiais. Obvio que seria fantástico ter dardos nas Olimpíadas porque atrairia mais patrocinadores, mais visibilidade e mais oportunidades. 

- Se atletas olímpicos tem dificuldade de conseguir patrocínio, a dificuldade para arrumar patrocinadores em um esporte não olímpico deve ser muito maior. Como você fez para se manter no esporte? Tem algum tipo de apoio?

Quando me mudei para Londres eu tive que recomeçar tudo do zero. Eu tinha uma empresa de investimentos no Rio de Janeiro, e aqui comecei lavando prato e servindo café da manhã em hotel. Tudo isso pra poder pagar as viagens e inscrição dos torneios que queria jogar. Depois de 2 anos, consegui o chamado "manager" para me ajudar nos torneios Profissionais. Os "managers" são pessoas que tem dinheiro mas não jogam dardo, então eles pagam todas as despesas dos jogadores e, em contrapartida, o jogador da parte dos prêmios em forma de retorno para o manager. Hoje em dia, eu ainda tenho um manager mas não é o mesmo do ano passado, e tenho um patrocinador que paga um valor mensal para ter a marca divulgada na minha camisa, como acontece normalmente no futebol, por exemplo. Isso ajuda bastante. 

- Qual o momento mais marcante que você teve em uma competição?

Acho que ganhar o primeiro jogo da Copa do mundo no ano passado foi a melhor coisa que aconteceu pra o Brasil. O jogo de duplas é muito difícil, e trazer alguém do Brasil para um torneio tão importante e provar que podíamos ser competitivo foi muito bom. O sentimento de conquista é dez vezes maior quando você está representando seu pais. 

- O senso comum tende a pensar que as lesões mais comuns em atletas de dardos são em cotovelos e ombros. Essa lógica se confirma?

Sim, ombros e cotovelos são bastante afetados, assim como o punho e o joelho. Também existe jogadores com problemas nas costas. O impacto nessas áreas é muito grande e se não tiver um cuidado apropriado e uma disciplina nos treinamentos pode ser bastante prejudicial. 

- Existem competições mistas? Esse poderia ser um atrativo para um olhar do Comitê Olímpico Internacional?

A PDC nao distingue entre masculino e feminino. Todos os tours que citei acima podem ser jogados por mulheres também, e apesar de não termos nenhuma atualmente, já tivemos em outras competições. Na Copa do mundo desse ano, uma chinesa se classificou para representar seu pais, por exemplo.

- É comum um atleta fazer um "jogo perfeito"? Você já fez quantas vezes? Já viu/fez partidas com pontuação máxima durante todo o torneio?

Não é comum, mas acontece. O jogo perfeito resume em zerar os 501 pontos com apenas 9 dardos. Para se ter noção a media de um jogador top 10 do mundo seria zerar o 'leg' em 15 dardos. Mas isso acontece sim nos torneios, claro! São 128 jogadores e inúmeras partidas com 11 'legs' em cada um em apenas um dia, então é bem provável de acontecer. Eu já fiz duas vezes, mas ambas treinando ou me preparando para o jogo. Oficialmente minha melhor marca são 10 dardos. 

A pontuação máxima em uma rodada são 180 pontos (3 dardos no triplo 20). Isso já é bem mais normal que um jogo perfeito e praticamente todo 'leg' isso acontece. 

- Até onde você acredita que pode chegar no Dardo?

O objetivo é ser campeão mundial, depois disso eu me aposentaria e abriria academia de dardos no Brasil para ajudar no crescimento do esporte. 

- Deixe seu Recado para os leitores do surto olímpico, o espaço é seu

Se vocês soubessem o quanto a adrenalina sobe na hora de ganhar uma partida, ou de fechar um 'leg' ou apenas de fazer uma pontuação alta, vocês se surpreenderiam. O coração dispara, a mão treme, o joelho não aguenta o peso do corpo. É uma sensação que eu não vivi em nenhum outro esporte que joguei! Vale muito a pena tentar pelo menos uma vez. É divertido, desafiador e trabalha todas as áreas do seu corpo e mente. Eu aprendi muito sobre mim desde que comecei a jogar.


fotos: Getty Images

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes