Guia da Copa do Mundo de Hóquei na Grama feminina 2018

Por Bruno Guedes

Começa no sábado, dia 21, a Copa do Mundo Feminina de Hóquei na Grama. A competição ocorre no berço do esporte, na Inglaterra, e vai até o dia 5 de agosto. Este ano marca a volta de 16 participantes, divididas em quatro grupos, fato que ocorreu pela última vez em 2002. Esta 14ª edição do torneio acontece no Lee Valley Hockey and Tennis Centre, localizado no Queen Elizabeth Olympic Park, mesmo complexo utilizado nas Olimpíadas de Londres 2012. Holanda e Argentina, as duas últimas campeãs, chegam como favoritas ao lado da seleção anfitriã.

As classificadas saíram das cinco campeãs continentais - que garantiram vagas diretas - além das dez primeiras colocadas na Liga Mundial na temporada 2016/2017. A Inglaterra conquistou a vaga por ser o país sede. As primeiras colocadas de cada grupo se classificam diretamente para as quartas de finais. As segundas e terceiras disputam um playoff que dará vaga na fase final. Todas as partidas serão transmitidas ao vivo através do canal oficial da Federação Internacional de Hóquei (FIH) no YouTube (https://www.youtube.com/user/fihockey).

O aumento do número de participantes na Copa do Mundo reflete a recente estratégia da FIH de tornar o evento mais acessível aos países em desenvolvimento. Outra tentativa também é de dar maior visibilidade à modalidade a nível global. A atual campeã mundial é a Holanda, que conquistou o título da Copa do Mundo de 2014, realizada em Haia, ao derrotar na final a Austrália pelo placar de 2 a 0.

Nova Geração assume o esporte
Quando a bolinha rolar na Terra da Rainha uma nova história começará a ser escrita no hóquei. Quatro anos após o Mundial que marcou a despedida da maior jogadora de todos os tempos, a argentina oito vezes melhor do mundo Luciana Aymar, muitas outras lendárias atletas não estarão nos campos. Lucha, seu apelido, ganhou recentemente um premiado documentário na Netflix. Agora o domínio é da nova geração que emerge com força em todas as seleções, com hegemonias em xeque.

Atuais campeãs, as holandesas vão buscar o bi sem três das suas maiores vencedoras na História: Ellen Hoog, Naomi van As e Maartje Paumen. Ellen foi melhor do mundo em 2014, Naomi em 2009 e 2016, e Paumen em 2011 e 2012. As atletas fizeram parte da chamada "Geração de Ouro", que conquistou duas medalhas de ouro nas Olimpíadas, Beijing 2008 e Londres 2012, além de dois títulos mundiais, em 2006 e 2014.

Sem Luciana Aymar, a Argentina coloca a prova sua força como uma das potências do hóquei na grama. Após a aposentadoria da lendária jogadora, o maior nome agora é da Delfina Merino, eleita em janeiro a melhor do mundo. Las Leonas tiveram péssima campanha nas Olimpíadas do Rio, derrubando a expectativa criada após a saída de Lucha, que mudou o esporte no país.

A Inglaterra chega com a mescla da forte seleção formada durante o ouro há dois anos, mas agora com mais jovens. Lily Owsley, uma das maiores promessas, teve uma lesão há pouco mais de quatro meses mas vem mostrando boa evolução. O fator casa pode ser decisivo, como foi com as argentinas em 2010 e holandesas em 2014.

Alemanha e Nova Zelândia, duas das equipes mais tradicionais do hóquei, chegam com equipes rejuvenescidas e querendo colocá-las à prova. Na última Liga Mundial, em 2017, as neozelandesas foram vice-campeãs, derrotadas pela Holanda.

Grupo A
Holanda: As holandesas chegam como francas favoritas ao bicampeonato. O time treinado por Alyson Annan tem um grande repertório de jogadas e como característica a forte marcação no campo das adversárias e muita força física.

A equipe sofreu uma forte reformulação, após saídas de goleira Joyce Sombroek, as goleadoras Maartje Paumem e Ellen Hoog, além dos preciosos passes de Naomi van As. O trio se despediu da Seleção, oficialmente, com a medalha de prata na Rio 2016, quando foram derrotadas pelas britânicas. Todas se aposentaram na temporada passada, deixando o bastão para uma renovada equipe e com nomes do quilate de Xan de Waard, Maria Verschoor e Laurien Leurink. Kim Lammers, outra lendária goleadora que se retirou do esporte, também participou dessas campanhas e estava no título de quatro anos atrás.

No caso da Paumen há uma observação em especial, já que ela era responsável pelos pênaltis curtos e sendo arma fatal em muitas vitórias. Agora esta função está a cargo da Caia van Maasakker. Jonker é a grande artilheira da equipe.

Mas há jogadoras que fizeram parte da Geração de Ouro ainda ditando o ritmo. Casos da Eva de Goede, Kitty van Male, Margot van Geffen e agora grande estrela da turma, Lidewij Welten, que foi eleita melhor do mundo em 2015. Novos talentos jovens despontam, como as citadas anteriormente, além de Frédérique Matla (21 anos), Lauren Stam (24) e Julia Remmerswaal (23), reflexos da fortíssima renovação.

Porém o time teve uma baixa de última hora. Pien Sanders sofreu uma concussão durante a partida contra a Argentina, nos preparativos para a Copa do Mundo, e deu lugar à Sanne Koolen.

Melhor resultado: 7 vezes campeã (1974, 1978, 1983, 1986, 1990, 2006 e 2014)
Capitã: Carlien Dirkse van den Heuvel

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

1     VEENENDAAL Anne (
Goleira)
3     KOOLEN Sanne
4     van MALE Kitty
5     PHENINCKX Malou
6     LEURINK Laurien
7     de WAARD Xan
8     KEETELS Marloes
9     DIRKSE van den HEUVEL Carlien
10     JONKER Kelly
11     VERSCHOOR Maria
12     WELTEN Lidewij
13     van MAASAKKER Caia
15     MATLA Frederique
17     van den ASSEM Ireen
18     SANDERS Pien
20     NUNNINK Laura
21     STAM Lauren
22     KONING Josine (Goleira)
23     van GEFFEN Margot
24     de GOEDE Eva
28     ZUIDHOF Margot
29     KREKELAAR Maartj

China: Com um time mais experiente que nas Olimpíadas de 2016, onde foram mal, as chinesas tentam voltar aos bons tempos dos anos 2000. Foi durante a década que teve algum sucesso na modalidade. Conquistaram a medalha de prata em casa, durante a Beijing 2008, além do Bronze no Mundial de 2002.

Desta vez a média de idade está em torno dos 26 anos e uma equipe bastante veloz, o que pode ser uma arma principalmente contra as rivais diretas pela classificação: Itália e Coreia do Sul. Tem na sua capitã Cui Qiuxia uma das esperanças após serem vice-campeãs dos Jogos Asiáticos e Copa da Ásia.

Melhor resultado: Terceiro lugar em 2002.
Capitã: Cui Qiuxia

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

2     GU Bingfeng (C)
3     SONG Xiaoming    
6     TANG Wanli    
7     CUI Qiuxia (C)    
9     XU Wenyu (C)    
10     PENG Yang    
12     GUO Qiu     36
16     OU Zixia (C)    
17     YONG Jing    
18     ZHANG Xindan    
19     ZHANG Xiaoxue    
20     HE Jiangxin
21     LIU Meng
22     CHEN Yi (GK)
24     WANG Shumin
26     CHEN Yang
27     TU Yidan
28     WU Qiong
31     ZHONG Jiaqi
32     YE Jiao (GK) 

Itália: Voltando à Copa do Mundo após 42 anos, as italianas chegam como piores ranqueadas na Federação Internacional, 17ª. Traz uma equipe bastante mesclada, como a veterana Agata Wybieralska, de 40 anos, além de jovens Sara Puglisi e a goleira Clara Cusimano, de 17 anos.

Pode ser a zebra do grupo, ainda que pouco tenha apresentado nos duelos contra as rivais nas Ligas Mundiais. A maioria do time joga em campeonatos considerados competitivos, como os da Espanha e Argentina.

Melhor resultado: Décimo em 1976
Capitã: Chiara Tiddi

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

2     TRAVERSO Celina
3     PUGLISI Sara    
4     MASTRONARDI Eugenia    
7     BRACONI Valentina    
8     BIANCHI Eugenia
9     GARRAFFO Maria    
10     MIRABELLA Dalila
12     CHIRICO Martina (GK)    
14     PACELLA Elisabetta    
15     SOCINO Maria    
17     TIDDI Chiara (C)    
18     CARTA Federica
20     SINGH Jasbeer    
21     WYBIERALSKA Agata    
22     CUSIMANO Clara (GK)    
23     VYNOHRADOVA Maryna
25     RUGGIERI Giuliana    
27     OVIEDO Lara    
28     PESSINA Ivanna
32     CASALE Marcela


Coreia do Sul: Uma das forças emergentes da Ásia, as coreanas brigarão com as chinesas pela vaga nos playoffs. Com um time que joga junto há bastante tempo, apenas 4 jogadoras fizeram menos de 20 partidas pela Seleção e é justamente em cima dessa experiência que tentarão se impor.

Nona colocada no ranking da FIH, tenta fortalecer e popularizar o hóquei no país. A esperança é que um resultado positivo consolide a ótima posição nele e também uma vaga nas Olimpíadas.

Melhor resultado: Terceiro em 1990
Capitã: Kim Youngran

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

2     CHOI Su Ji
4     KIM Youngran (C)    
5     LEE Yurim    
6     BAE Sora (GK)
8     AN Hyoju    
10     PARK Mi Hyun
11     PARK Seunga    
12     LEE Youngsil    
13     CHO Eunji
14     CHO Yun Kyoung
16     CHEON Seul Ki    
17     KIM Ok Ju    
18     KIM Bomi    
19     CHO Hyejin    
21     SHIN Hyejeong
22     JANG Heesun    
23     LEE Yuri     50
31     HWANG Hyeon A (GK) 

Grupo B
Inglaterra: Com a base da campeã olímpica Grã Bretanha, as inglesas disputam em casa e com grandes chances de bater as favoritas Argentina e Holanda. Mesclando um elenco bastante experiente a nível internacional com a já consolidada nova geração, contará também com o fator torcida para buscar o inédito título.

Tem uma das equipes mais bem distribuídas e disciplinadas taticamente do torneio, graças ao trabalho do técnico Danny Kerry. Uma das fortalezas é a melhor goleira do mundo, Maddie Hinch, e um trio ofensivo mortal: Alex Danson, Sophie Bray e Lily Owsley. Lily, aliás, sofreu uma cirurgia há alguns meses e está voltando da recuperação. Porém não parece ser problema pela evolução demonstrada durante a preparação.

O ponto forte da Inglaterra é sua parte física, algo decisivo nas Olimpíadas. Mas algumas importantes figuras deixaram o time, como a defensora e grande força na retaguarda Samantha Quek, que após as Olimpíadas ganhou muita fama comentando esportes e futebol nas televisões do Reino Unido.

Melhor resultado: Terceiro em 2010
Capitã: Alex Dawnson

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

1     HINCH Maddie (GK)    
3     LANE Kathryn    
4     UNSWORTH Laura
5     HAYCROFT Sarah    
6     TOMAN Anna    
7     MARTIN Hannah    
9     TOWNSEND Susannah    
11     PETTY Suzy    
13     RAYER Elena    
15     DANSON Alex (C)
18     ANSLEY Giselle    
19     BRAY Sophie    
20     PEARNE-WEBB Hollie    
21     WATTON Ellie    
23     TENNANT Amy (GK)    
26     OWSLEY Lily    
27     HUNTER Jo
31     BALSDON Grace

Estados Unidos: Uma das maiores surpresas da década, as americanas tentarão alcançar,
mesmo em um forte grupo, a melhor marca da História. Chegam embaladas após baterem as argentinas no Pan de 2015, uma boa campanha na Rio 2016 e estarem entre as 10 primeiras do ranking.

Traz um time muito experiente em termos de competitividade e um dos que mais se destacam fisicamente. Aliás, foi essa parte a sua grande diferenciação frente às potências durante as competições recentes.

Apesar do hóquei ser um dos esportes mais praticados entre as jovens dos EUA, o país continua a sua busca por conquistar um título importante.

Melhor resultado: Terceiro em 1994
Capitã: Melissa Gonzalez 

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

1     MATSON Erin
2     FEE Stefanie
4     SHEALY Loren
5     GONZALEZ Melissa (C)
6     WIDDALL Alesha (GK)
7     CARO Catherine
9     VITTESE Michelle    
10     WITMER Jill    
11     WEST Taylor    
12     MAGADAN Amanda
13     HOFFMAN Ashley
14     YOUNG Julia    
19     MOYER Lauren    
20     FROEDE Ali    
21     WOODS Nicole
22     BLAZING Lauren (GK)
23     VITTESE Tara
24     SHARKEY Kathleen    
26     PAOLINO Margaux    
28     van SICKLE Caitlin    
29     MANLEY Alyssa
31     BRIGGS Jackie (GK)

Índia: Um dos países mais tradicionais do hóquei na grama, as asiáticas tentam reerguer o nome forte dos indianos que durante o começo do século XX dominou o esporte. Uma das explicações para o declínio da Índia na modalidade foi a mudança de grama natural para a artificial, que exige emprego financeiro maior e alto custo de manutenção.

Sua jovem equipe vai tentar apagar a péssima impressão deixada na Olimpíada passada, onde chegou a ser goleada. É a atual campeã da Copa da Ásia, porém pode sentir a diferença de força física. Tecnicamente deixa a desejar. A esperança passa pelo taco da atacante e capitã Rani Rampal.

Melhor resultado: Quarto lugar em 1974
Capitã: Rani Rampal

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

1     KAUR Navjot
2     KAUR Gurjit
3     EKKA Deep
4     MONIKA    
6     KHOKHAR Reena
8     PRADHAN Nikki
11     SAVITA (GK)
13     ETIMARPU Rajani (GK)
16     KATARIYA Vandana
17     DEEPIKA
18     UDITA
19     TOPPO Namita
20     LALREMSIAMI    
25     KAUR Navneet
26     LAKRA Sunita
28     RANI (C)
31     MINZ Lilima
32     GOYAL Neha

Irlanda: As irlandesas chegam como uma possível surpresa caso aconteça a classificação. São apenas as 16ª no ranking. Sem muitos destaques, jogam ainda contra duas potências do esporte no mesmo grupo.

As aspirações do time, ainda que bastante experiente no geral, são tentar manter a boa posição na FIH e almejar uma vaga olímpica para 2020.

Melhor resultado: Décimo primeiro em 1994
Capitã: Kathryn Mullan

ELENCO E NUMERAÇÃO OFICIAL

1     O'FLANAGAN Grace (GK)
4     O'BYRNE Yvonne    
8     EVANS Nicola
9     MULLAN Kathryn (C)    
10     McCAY Shirley    
11     FRAZER Megan
12     TICE Elena
13     CARROLL Naomi
14     BEATTY Emily
15     PINDER Gillian
16     LOUGHRAN Sinead    
18     UPTON Roisin
19     McFERRAN Ayeisha (GK)
20     WATKINS Chloe
21     COLVIN Lizzie
22     DALY Nicola
23     MATTHEWS Hannah
24     TORRANS Sarah    
26     O'FLANAGAN Anna    
27     WILSON Zoe
28     DUKE Deirdre
30     MEEKE Alison

Grupo C
Argentina: Argentina e hóquei têm um caso de amor só comparado ao futebol. Graças a lendária Luciana Aymar, o esporte mudou de patamar no país, se tornando o mais praticado pelas meninas e com estádios lotados em partidas da Seleção. Bicampeãs, Las Leonas, como são chamadas desde Sydney 2000, tentam voltar aos anos de glória após renovarem jogadoras e modelos de jogo nos últimos quatro anos.

É uma equipe repleta de atletas fantásticas, como a melhor do mundo Delfina Merino, a ótima goleira Succi, a mortal Barrionuevo e talentosíssima revelação Granatto. O estilo de jogo vem se modificando, tornando-se mais agressivo e físico, reflexo do bom trabalho do técnico Agustín Corradini. Há uma coletividade maior, buscando participação de todas. Algo que durante anos oscilou com a presença da "Lucha", como é chamada Aymar.

No mundo, apenas a Holanda tem resultados melhores em competições. Mesmo assim, as duas Seleções foram as protagonistas do hóquei nos últimos 20 anos, com uma rivalidade nunca antes vista e que promete se repetir agora. Fizeram as finais do Mundial de 2010 (vitória argentina), Olimpíadas de 2012 (vitória holandesa) e diversas outras em competições variadas.

Melhores resultados: Dois títulos (2002 e 2010)
Capitã: Delfina Merino

1     SUCCI Belen (GK)
4     TRINCHINETTI Eugenia
5     ALONSO Agostina    
6     DONATI Bianca
7     CAVALLERO Martina    
10     FERNANDEZ Magdalena
12     MERINO Delfina (C)    
14     HABIF Agustina    
15     GRANATTO Maria
16     HABIF Florencia    
17     SANCHEZ Rocio
19     ALBERTARRIO Agustina    
20     von der HEYDE Lucina    
26     ORTIZ Maria    
27     BARRIONUEVO Noel
28     JANKUNAS Julieta    
29     GOMES Julia
31     MUTIO Maria (GK)

Alemanha: Terceira colocada nas Olimpíadas do Rio, as alemães colhem o fruto do ótimo trabalho de renovação que fizeram. Com uma equipe jovem, porém já com bastante experiência internacional, conseguem fazer grandes partidas alternando marcação forte ou boa posse da bola. Foram bronze em 2016 fazendo jogo duro na semifinal contra a Holanda exatamente deste modo.

Duas vezes campeã mas com longo jejum, desta vez a chance de títulos parece possível, ainda que esteja no chamado "Grupo da Morte". Mas conta com nomes do quilate de Anne Schröder, uma das maiores revelações germânicas - assim como sua amiga pessoal Selin Oruz - além da já veterana e fatal Janne Müller-Wieland.

Melhores resultados: Dois títulos (1976 e 1981)
Capitã: Janne Müller-Wieland

3     WORTMANN Amelie
4     LORENZ Nike
5     ORUZ Selin
6     GABLAC Hannah
8     SCHRÖDER Anne    
9     GRÄVE Elisa
10     NOTMAN Nina
11     MICHEEL Lena    
12     STAPENHORST Charlotte
14     MÜLLER-WIELAND Janne (C)
15     KUBALSKI Nathalie (GK)
17     TESCHKE Jana
18     ALTENBURG Lisa
19     SCHAUNIG Maike
20     CIUPKA Julia (GK)
21     HAUKE Franzisca
22     PIEPER Cecile
23     MÄVERS Marie
25     HUSE Viktoria
26     VIVOT Alisa

Espanha: Uma das Seleções emergentes do hóquei na grama nas últimas décadas, as espanholas tentarão incomodar as potências, assim como na Rio 2016. E um dos trunfos para isso é o seu campeonato nacional, bastante disputado e considerado forte.

Apesar de ter uma equipe onde jovens e veteranas se misturam, apresenta um bom nível técnico e tático. Deste modo que tentará arrancar pontos crucias contra Alemanha e Argentina, brigando assim por uma vaga nos playoffs.

Para isso, tem agora na sua capitã Georgina Oliva, que atua no fortíssimo campeonato holandês, uma das armas para o sucesso.

Melhor resultado: Quarto lugar (2006)
Capitã: Georgina Oliva

1     RUIZ Maria (GK)    
2     GUTIERREZ Rocio    
7     PETCHAME Carlota    
8     SALVATELLA Carola    
9     LOPEZ Maria    
10     BONASTRE Berta    
11     GUINEA Cristina    
12     CANO Carmen    
14     TOST Maria    
15     GARCIA Maialen    
17     RIERA Lola    
18     PONS Julia
19     GARCIA Begoña
20     GINE Xantal
21     PEREZ Beatriz
23     OLIVA Georgina (C)
25     MAGAZ Alicia
28     SEGU Marta
29     JIMENEZ Lucia
32     GARCIA Melanie (GK)

África do Sul: Seleção que domina o continente africano, a África do Sul disputa pela sexta vez a Copa do Mundo. Assim como as ex-colônias britânicas, tem um grande número de praticantes do hóquei. Porém ele é considerado "esporte dos brancos", tal qual acontecia com o rugby na antológica passagem onde Nelson Mandela tentou unir o país em torno dele, em 1995.

Desta vez traz uma equipe bastante experiente, contando com nomes famosos no cenário esportivo como Dirkie Chamberlain, Lisa-Marie Deetlefs e Nicolene Terblanche, todas acima dos 30 anos.

Apresenta uma organização tática e força física considerável, porém com pouco impacto técnico.

Melhor resultado: Nono lugar (2014)
Capitã: Nicolene Terblanche

4     WALRAVEN Nicole
5     GOUWS Simone
8     PATON Kristen
10     JONES Shelley    
11     BOTES Kara-Lee    
12     CHAMBERLAIN Dirkie
13     DEETLEFS Lisa-Marie    
16     HUNTER Erin
17     MANUEL Candice    
19     du PLESSIS Lilian    
20     TERBLANCHE Nicolene (C)    
21     MALI Ongeziwe    
24     MBANDE Phumelela (GK)    
27     MAYNE Jade    
28     BOBBS Quanita
29     GLASBY Tarryn
30     DAMONS Sulette   
31     Van TONDER Marlise (GK)

Grupo D
Austrália: Falar do hóquei na grama sem falar das australianas é impossível. Bicampeã Mundial, a Austrália é uma das potências do esporte. Dominou quase que por completo os anos 90, quando conquistou seus títulos mais importantes, chegando a impactar profundamente o modo como é praticado e a utilização da força física como arma nos jogos. Curiosamente uma das suas maiores estrelas de todos os tempos é Alyson Annan, atual treinadora da Holanda. Ela é, ainda hoje, a maior artilheira das chamadas Hockeyroos.

Porém, após a decepcionante quinta posição na Rio 2016, a atual equipe passou por um processo de renovação onde buscou mesclar juventude e experiência. Deixaram a equipe, entre outros nomes, a estrela Georgie Parker. Sob comando do técnico Paul Gaudoin, agora tem uma idade média de 24 anos. Todas jogam no próprio país.

Quinta colocada no ranking da FIH, tem na ótima goleira Rachael Lynch, a defensora Jodie Kenny e atacante Emily Smith os nervos centrais de um conjunto bem equilibrado taticamente e com boa técnica quando recupera a posse.

Melhores resultados: Dois títulos (1994 e 1998)
Capitã: Emily Smith

2     MALONE Ambrosia    
3     PERIS Brooke    
4     HURTZ Emily    
7     KENNY Jodie    
9     BRAZEL Lily    
10     FITZPATRICK Maddy    
11     McMAHON Karri    
13     BONE Edwina    
14     KERSHAW Stephanie    
15     NOBBS Kaitlin    
17     MORGAN Georgina    
19     BARTRAM Jocelyn (GK)    
20     SLATTERY Kathryn    
21     TAYLOR Renee    
23     COMMERFORD Kalindi    
26     SMITH Emily (C)    
27     LYNCH Rachael (GK)    
28     BATES Kristina    
30     STEWART Grace    
32     FITZPATRICK Savannah

Bélgica: Grande surpresa graças ao vice-campeonato do Campeonato Europeu de 2017, a Bélgica tenta avançar à fase final e voltar ao pódio após 40 anos. Mostra uma equipe que consegue controlar bem as partidas, ótima resistência física, porém com alguns ajustes ainda pendentes na parte tática.

Um dos mais jovens elencos do torneio, traz na bagagem o bom ciclo olímpico que vem fazendo após ficarem de fora da Rio 2016. Pode ser uma das surpresas, assim como quase todo grupo.

Melhor resultado: Terceiro lugar (1978)
Capitã: Anouk Raes

2     LIMAUGE Sophie
3     CAVENAILE Louise    
4     FOBE Aline    
6     RAES Anouk (C)    
7     VANDERMEIREN Judith    
8     PUVREZ Emma    
9     RAYMAKERS Mathilde    
10     VERSAVEL Louise    
11     PEETERS Joanne    
13     GERNIERS Alix    
14     SINIA Emilie    
15     WEYNS Anne-Sophie    
16     DUQUESNE Tiphaine    
17     STRUIJK Michelle    
19     NELEN Barbara    
21     D'HOOGHE Aisling (GK)    
22     VANDEN BORRE Stephanie    
23     SOTGIU Elena (GK)
25     LECLEF Pauline    
26     HILLEWAERT Lien    
27     BOON Jill    
29     PICARD Elodie (GK)

Japão: País que vem tomando conta do cenário asiático aos poucos, o Japão desembarca em Londres tentando um feito histórico: chegar às semifinais. Na Olimpíada e no Mundial ficou apenas em 10ª lugar, mas considerado uma grande experiência justamente para a formação deste time atual.

Uma das mais lendárias e importantes jogadoras japonesas estará na competição, Mayumi Ono, que também será a capitã. Ao todo são 231 jogos, mais de 100 à frente da segunda atleta que mais vestiu a camisa da Seleção na equipe.

Frágil fisicamente e oscilando na parte técnica, tem como grande arma a velocidade pelos lados e a disciplina tática.

Melhor resultado: Terceiro lugar (1978)
Capitã: Mayumi Ono

1     KAGEYAMA Megumi (GK)    
2     NAITO Natsuki (C)    
3     ONO Mayumi    
4     MATSUMOTO Natsuha    
5     ASAI Yu    
6     OTA Akiko    
7     NAGAI Hazuki    
8     MANO Yukari    
9     KATO Akiko    
10     SHIMIZU Minami    
11     NOMURA Kana    
12     NAGAI Yuri    
13     KOZUKA Miki    
14     SEGAWA Maho    
15     ISHIBASHI Yui    
16     OIKAWA Shihori    
20     KARINO Mami    
21     HOSHI Kimika    
22     KAWAMURA Motomi    
27     YAMADA Aki    
30     AKAYA Erika (GK)    
32     YUDA Hazuki

Nova Zelândia: Outra ex-colônia britânica com importante participação no hóquei, a Nova Zelândia pode ser a grande rival das potências. No começo do ano surpreendeu ao conquistar os Jogos da Comunidade Britânica vencendo a Inglaterra nas semifinais e a Austrália na final.

Traz um time renovado e que vem de ótimo ciclo, com um quarto lugar na Rio 2016, quinto no Mundial de 2014 e dois vices-campeonatos nas Ligas Mundiais de 2014/15 e 2016/17. Atualmente parece estar a frente da Seleção australiana, que divide a hegemonia continental com ela.

Tecnicamente muito boa, parece estar ainda em crescimento tático e evoluindo de forma respeitável na parte física. A defensora Stacey Michelsen  é o grande nome dessa geração que pode fazer História.

Melhor resultado: Quarto lugar (1986)
Capitã: Stacey Michelsen

1     DAVEY Tarryn
2     HARRISON Samantha    
4     MERRY Olivia    
5     DAVIES Frances    
6     ROBINSON Amy    
8     RUTHERFORD Sally (GK)    
9     NEAL Brooke    
12     GUNSON Ella    
13     CHARLTON Samantha    
15     O'HANLON Grace (GK)    
16     THOMPSON Liz    
22     TANNER Kim    
24     KEDDELL Rose    
25     SMITH Kelsey    
28     GLOYN Shiloh    
29     DOAR Madison    
30     TUILOTOLAVA Louisa    
31     MICHELSEN Stacey (C)    
32     McLAREN Anita

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes