Surto de olho na Rússia: Os árabes são zebras mas podem surpeender


Na Copa do Mundo, a Arábia Saudita tem pouca tradição e vai disputar seu quarto mundial. É uma das zebras e pode surpreender, mas para isso será preciso muito trabalho e raça, para repetir o mundial de 24 anos antes.

Nos Estados Unidos, em 1994, a Copa seria a última disputada por 24 seleções -, já que a seguinte, na França, teria 32. Os árabes caíram no grupo F, com Holanda, Bélgica e Marrocos. Além de ser a estreia do país no torneio, todos estavam convencidos de que apenas fariam figuração, o que se provou longe de ser verdade.

A estreia com a derrota por 2x1 contra a Holanda mostrou que a Arábia Saudita iria lutar pela vaga na fase seguinte. Comandados pelo camisa 10, Saeed Al-Owairan, vitórias contra os marroquinos por 2x1 e os belgas por 1x0, deram a classificação para as oitavas-de-final, logo na sua primeira participação.

Mesmo com a derrota por 3x1 contra a ótima seleção da Suécia - que tinha nomes como Henrik Larsson, Thomas Ravelli, Thomas Brolin e Kennet Andersson -, não apagou o brilho da grande campanha dos árabes na Copa, surpreendendo até mesmo o país.

Ainda na fase de grupos, o gol de Al-Owairan contra a Bélgica, entrou para a história dos mundiais. ''O Maradona das Árabias'' recebeu a bola na defesa, saiu em arrancada, passou por quatro defensores e chutou caindo contra o gol de Michel Preud'homme. Essa jogada foi eleita pela FIFA como o sexto gol mais bonito de todos as Copas do mundo do século XX, deixando para trás nomes como Roberto Baggio e Lottar Matthaus.


Última Copa e Eliminatórias

Em 2006, os árabes tentariam apagar a péssima campanha feita quatro anos antes. Naquela Copa de 2002, a seleção ficou marcada por levar um impiedoso 8x0 da Alemanha e não fazer nenhum gol sequer, sendo a pior participação da Arábia Saudita em Copas e a pior daquele torneio.



Na Alemanha, foram um pouco melhores, mas continuaram sendo saco de pancadas. Na primeira rodada do grupo H, um empate de 2x2 contra a Tunísia deu esperanças de classificação, mesmo deixando a vitória escapar levando um gol aos 47 do segundo tempo. Esperança que foi por água abaixo com a goleada sofrida pela Ucrânia por 4x0. Com poucas chances precisaria vencer a Espanha e torcer pela vitória da Tunísia contra a Ucrânia. Além de sair derrotada por 1x0, a Arábia Saudita voltou para casa vendo os ucranianos vencerem seu gol pelo placar mínimo.


Nas eliminatórias, o time árabe nadou de braçada na segunda fase, vencendo seis e empatando dois jogos, com direito a 10x0 e 7x0 na seleção de Timor Leste. Na terceira fase, caiu no grupo onde ficaria claro que Japão e Austrália seriam os favoritos a se classificarem direto, já que algumas seleções do grupo B eram bem fracas, e ir bem no confronto direto contra os dois era de fundamental importância.

E isso se confirmou com o Japão se classificando em primeiro. Os árabes e australianos travaram batalha intensa e terminaram com 19 pontos cada. O que ajudou a Arábia foi o saldo de gols - dois a mais que a Austrália -, garantindo assim, a vaga direta a Copa da Rússia.

O curioso é que Austrália e Arábia Saudita, respectivamente, foram as seleções que fizeram mais gols que qualquer uma das 31 seleções que se classificaram pelas eliminatórias (48 e 45 gols cada).


Surto de olho no craque



Mohammad Al-Sahlawi é desconhecido do grande público, mas é a grande esperança dos árabes para essa Copa do Mundo. O atacante foi revelado pelo Al-Qadisiya em 2005 onde permaneceu até 2009, quando foi contratado pelo Al-Nassr na maior contratação da história do futebol do país, pela quantia de oito milhões de dólares, onde permanece no clube até hoje.

Pela seleção, desde que foi convocado, há oito anos atrás, tem 36 jogos e 28 gols. Foi o artilheiro da seleção e vice artilheiro das eliminatórias asiáticas com 15 gols marcados. Os números são tão bons que destoa do resto da seleção. Para efeito de comparação, Al-Sahlawi marcou um gol a cada 72 minutos; O vice artilheiro da Arábia marcou um a cada 186 minutos, com o mesmo número de jogos.

Nas últimas três copas que os Falcões Verdes disputaram, apenas quatro gols marcados e nunca chegaram a fazer mais do que dois gols em partidas de Copa do Mundo. O jogador é muito inconstante, assim como a própria seleção: Cresce em jogos contra adversários mais frágeis, joga mal em grandes jogos. Mesmo com isso, a Arábia conta com o futebol dele para surpreender.

Time titular




Juan Antonio Pizzi assumiu a seleção em novembro, substituindo Edgardo Bauza no comando. Pizzi venceu a Copa América Centenário com o Chile, mas não classificou o país para o mundial. Não tem muito o que mexer no time titular. Provável escalação conta com Abdullah; Al-Harbi, Motaz Hawsawi, Osama Hawsawi, Fallatah; Al-Khaibri, Al-Shehri, Otayf; Al-Dawsari, Al-Sahlawi e Al-Muwallad.

Conclusão

A Arábia Saudita é uma das seleções mais fracas desse mundial. É a zebra do grupo A, mas pode se classificar, já que apenas o Uruguai tem favoritismo. Fez ótima campanha para chegar até aqui, mas contra times que provavelmente nunca jogarão uma Copa do Mundo. Vão ter que se dedicar ao máximo para surpreender, ainda mais se tratando de futebol, onde tudo é possível. Seria surpreendente ver os falcões verdes nas oitavas e pode acontecer, mas necessitariam de um milagre.



Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes