Ouro no Aberto da Alemanha de Judô para Cegos, Maria Núbea Lins é uma das apostas neste ciclo

Cega do olho esquerdo e com parte da visão do direito devido a uma toxoplasmose congênita desde que nasceu, Maria Núbea Lins, 28, começou a praticar o judô paralímpico há três anos, e nesse tempo chegou à seleção brasileira e já conquistou um título internacional, o ouro no Aberto da Alemanha, no último dia 10, na Alemanha.
A judoca da cidade Italva, município do Rio de Janeiro, chamou a atenção dos técnicos da seleção brasileira durante a etapa do Grand Prix Internacional Infraero, em 2017, e logo ganhou uma oportunidade entre os convocados para uma das fases de treinamento. O desempenho nos treinos lhe rendeu a primeira chance em uma competição internacional. Maria Núbea Lins viajou com a equipe para a Copa do Mundo na cidade de Tashkent, Uzbequistão, e por pouco não voltou com uma medalha no peito, com o quinto lugar conquistado.
Quatro meses depois de debutar em eventos fora do Brasil, Núbea foi uma das sete escolhidas dos técnicos Alexandre Garcia e Jaime Bragança para compor a seleção que participou do German Open – competição preparatória para os principais eventos –, e conquistou a sua primeira medalha de ouro ao vencer seis lutas, contra judocas da Alemanha, Estados Unidos, Rússia e Bielorrússia.
“Foi minha segunda experiência em competições fora do Brasil. Senti uma evolução na preparação técnica, física e emocional. Fiquei muito feliz com o resultado final. Precisei me superar a cada luta. Essa conquista representa pra mim que estou no caminho certo e a ambição de querer ir cada vez mais longe”, vibrou a atleta.
O desempenho também foi comemorado pelo técnico Alexandre Garcia. O ex-juduca olímpico acredita no potencial da atleta, mas fez questão de frisar sobre a importância dos treinamentos, que contribuirão para o crescimento técnico.
“É uma atleta que está evoluindo e que realizou uma boa competição. Tem potencial, porém, é necessário que tenha continuidade aos seus treinamentos em busca de um aperfeiçoamento técnico”, analisou Garcia.
Núbea Lins segue a mesma linha de pensamento do sensei e, mesmo com a conquista, garante que não vai se acomodar, e a motivação conquistada na Alemanha servirá para corrigir as falhas e crescer na modalidade que pratica há apenas três anos.
“Volto da Alemanha mais motivada, porém com os pés no chão sabendo que preciso corrigir falhas e evoluir tecnicamente”, disse a atleta.
Mesmo com os pés no chão, a atleta não foge da responsabilidade e acredita no seu potencial. Núbea Lins não esconde que começou a praticar o judô com o pensamento ser campeã paralímpica. Uma ambição que a atleta sabe que não vai ser fácil de conquistar, mas que pretende avançar uma etapa de cada vez para alcançar o topo dos seus objetivos.
“Quando entrei no judô foi pensando em ser campeã paralímpica, mas sei da importância de avançar cada etapa que vai ajudar a alcançar os meus objetivos. Dessa forma, preciso pensar em cada competição individualmente. Para este ano tenho como objetivo alcançar o lugar mais alto do pódio em todas as competições que participarei com especial atenção ao Campeonato das Américas, no Canadá, e no Mundial no final do ano, em Portugal”, almeja a judoca.
Além da conquista do ouro da categoria -57kg de Maria Núbea Lins, o Brasil subiu no ponto mais alto do pódio com Alana Maldonado (-70kg) e Lucia Araújo (-63kg), além da prata de Wilians Araújo (+100kg) e o bronze de Arthur Silva (-90kg). O próximo desafio dos judocas da seleção será na Copa do Mundo na cidade de Antalya, Turquia, de 19 a 26 de abril.

Foto: CBDV



Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes