Coluna Lógos Olympikus #17 - Quem falou em povos frios?

Por Juvenal Dias

Aquela história de falar que povos europeus e asiáticos são frios, não expressam emoções, são distantes e que só é afetuoso o brasileiro, quem é caloroso são os latinos, precisa ser revista. Os Jogos de PyeongChang têm mostrado justamente o oposto disso, que os povos do hemisfério norte têm coração, sorriem, choram, sofrem, se abraçam efusivamente, lamentam... Como o dia de hoje não teve muitas disputas por medalhas, apenas quatro, foi um tanto vazio em termos de resultados, deu para observar outras características além da técnica e das conquistas ou fracassos. 

Quem diria que as contidas e centradas coreanas do Curling terminariam o dia chorando de alegria, extremamente contentes de chegarem pela primeira vez à final da modalidade, depois de derrotar as japonesas de forma dramática, no end extra? Deixaram todo o público que acompanhava a partida no ginásio em polvorosa, delirantes com um possível ouro em casa, em êxtase pela campanha maravilhosa que fizeram até agora.

Contagiante também foi a alegria do time sueco, ao cruzar a linha de chegada, no Biatlo revezamento 4x 7.5km masculino. Nos momentos finais, que já estava garantida a vitória, os treinadores já vibravam e gritavam para o último atleta que esquiava, até como forma de incentivo. Ao chegar, foi calorosamente abraçado pelos companheiros, mesmo rolando na neve fria. Da mesma forma foi a vitória da Suíça sobre o Canadá no Curling masculino, e olha que era disputa da medalha de bronze, mas os suíços pareciam não acreditar de terem superado os maiores vencedores do esporte. 

Não dá para deixar de mencionar os sorrisos e lágrimas de campeões individuais. A dinâmica é diferente, porque eles geralmente vão comemorar com os técnicos, mas ficou claro para todos que acompanhavam as provas, o quão felizes estavam Kesley Serwa, a canadense vencedora do Esqui Estilo Livre prova Esqui Cross, que inclusive celebrou muito a dobradinha com a compatriota Brittany Phelan; Kjeld Nuis, patinador holandês que ganhou seu segundo ouro na Coreia, na prova dos 1000m da Patinação de velocidade; e de Alina Zagitova, a menina russa de 15 anos de idade, que assombra o mundo com sua delicadeza, plasticidade e competência na Patinação Artística, ela fez questão de dar um salto no pódio para celebrar seu feito, geralmente são moças que precisam manter a postura.

E a celebração dos alemães ao derrotar o Canadá em uma partida duríssima do Hóquei masculino que valia vaga para a final contra os Atletas Olímpicos da Rússia? Parecia que, ao final do 4 a 3, tinham ganho a Copa do Mundo, vibrando, batendo no vidro de proteção.

Isso é o esporte, mexe com as emoções das pessoas, aflora o que há de melhor, principalmente nas vitórias. Mas também traz o sofrimento de quem tanto lutou e ficou pelo caminho. A televisão sempre busca a imagem mais feliz, porém tenho certeza que quem perdeu está se lamentando profundamente, buscando explicações e se motivando para melhorar na oportunidade seguinte. Mais dessas emoções ainda estão reservadas, mais dois dias que veremos esses “povos frios” derretendo gelo e neve com seus gritos, sorrisos e comemorações. Uma pena que são apenas mais dois dias.

P.S.: Confesso que, na primeira parte do dia, estava um pouco mais triste com todos falando que o fim desta edição olímpica está próximo. Iria escrever justamente sobre um dia vazio, já que Isadora Williams não se apresentou bem, então o coração dos brasileiros teria ficado com essa frustração; vazio de cerimônia, já que o momento mais constrangedor chegara com duas atletas olímpicas da Rússia subindo ao pódio e não sendo tocado seu hino, nem mostrada sua bandeira; vazio de eventos, já que tivemos bastantes espaços na programação do dia sem disputas, afinal as modalidades estão cessando. Mas os acontecimentos na segunda parte me devolveram o ânimo e resolvi ressaltar as ótimas reações de campeões e de quem passou para finais. Esse é um espaço de alegria, de celebração às coisas boas que o esporte traz e reflexões de questões para a sociedade.


Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes