Coluna Lógos Olympikus #13 - Segunda-feira preguiçosa? Que nada!


 Por Juvenal Dias

Quem visse o cronograma do dia 10 de competições de PyeongChang antes poderia ficar um tanto quanto desanimado, pensar que ter apenas três eventos com medalhas não teríamos grandes histórias, que seria mais monótono, até porque é uma segunda-feira que a maioria das pessoas trabalha, inclusive na Coreia. Mas não foi isso que aconteceu. Até podemos dizer que foi bem ao contrário, já que muita coisa chamou a atenção do público.

 
Começando pelos vencedores do dia, quatro ouros em três provas, graças a um empate histórico no Bobsled 2-man. Depois de quatro descidas somadas, Canadá e Alemanha marcaram exatamente o mesmo tempo e dividiram o lugar mais alto do pódio, era algo que não acontecia há 20 anos. Em Nagano-98 tivemos essa situação com Itália e Canadá. E foi uma prova de tirar o fôlego mesmo. Ainda na terceira descida, tivemos a participação brasileira com Edson Bindilatti e Edson Martins tentando um lugar entre os 20 que fariam a última descida. A torcida foi grande, ontem eles tinham terminado na 27ª colocação. Mas infelizmente não conseguiram melhorar suas marcas e não avançaram. De qualquer forma, vale enaltecer o esforço de já terem conseguido se classificar e terminar em 27º de 30 duplas não é ruim, considerando que foi a primeira participação brasileira na modalidade. Eles ainda voltarão na disputa de quartetos. A prova foi tão apertada que o time da Letônia, que ficou em terceiro e se tornou o 27º país a figurar no quadro de medalhas (recorde histórico), chegou há apenas 5 centésimos de diferença.

A liderança no quadro de medalhas ficou de forma isolada para a Noruega graças aos outros dois eventos que tinham finais. Na Patinação de Velocidade prova de 500m masculino, Harvard Lorentzen não só ganhou o ouro como bateu o recorde olímpico da distância, marca alcançada em Salt Lake-2002. Um norueguês não vencia no esporte há 70 anos! O tamanho do feito do atleta de 25 anos é enorme. Ainda tivemos aquele momento de superação e presença de espírito olímpico, com o polonês Artur Nogal, que tropeçou na largada, caiu, mas não desistiu. Levantou-se e completou a prova, mais de 24 segundos depois do melhor tempo. Mas foi aplaudido por quem o acompanhava da plateia. Um grande momento para um atleta que, provavelmente, ficaria no meio da tabela e seria mais um. Ainda nesta prova, vale destacar a presença do colombiano Pedro Causil, que foi muito bem e terminou em 20 dentre 36 competidores. Grande resultado para ele, que deve encher de orgulho a América Latina.

A outra conquista norueguesa foi no Salto de Esqui por equipes e a importância para o país, além de ter campeões inéditos na prova, ainda foi confronto direto contra os alemães. Quem vencesse ficaria com sua 11ª medalha de ouro, contra 10 do outro país. Os germânicos tiveram que se contentar com a prata.

Como se não bastasse essas histórias fantásticas, tivemos uma forte presença brasileira na Patinação Artística. Não competindo, mas nossas músicas foram temas de diversas apresentações das danças dos casais de programa curto. Carlinhos Brown e Jorge Bem Jor foram alguns dos compositores que mais agitaram o público e embalaram os patinadores.

A história triste do dia fica por conta de um caso de suspeita de doping. O atleta russo Alexander Khusheknitskiy, bronze no Curling duplas mistas ao lado da esposa, pode ser o segundo caso de atleta que tenha usado substâncias proibidas pouco tempo antes dos Jogos. Todo o caso está um tanto quanto nebuloso ainda, o presidente da Federação Russa de Curling alega sabotagem na bebida do atleta, resultados da contraprova não foram ainda divulgados. O fato é que a relação já estremecida do país com Comitê Olímpico Internacional, tem mais um episódio de abalo e que mancha ainda mais a imagem russa perante toda comunidade esportiva. Se eles pretendiam começar a construir uma relação de confiança novamente, não poderia haver sequer suspeita. Se o caso for confirmado, poderemos ter uma crise institucional no país e quem tem dúvidas se a exclusão da nação é justa ou não, passará a ter cada vez mais certeza da decisão.

Amanhã teremos cinco disputas por medalhas, já voltando ao “ritmo normal”, mas os grandes causos não param, nem numa segunda-feira que parecia preguiçosa.

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes