Mundial de Levantamento de Peso 2017 - Dia 5

O quinto dia de finais do mundial de levantamento de peso teve não só a disputa de três categorias, pura e simplesmente. O que aconteceu mesmo em Anaheim foi muita história pra contar. Teve uma dupla iraniana favorita seguindo caminhos bem opostos, recorde mundial, surpresa sul americana, participação brasileira, a redenção de uma atleta injustiçada,os três campeões do dia dominando tudo e até hino errado no pódio.

A primeira disputa do dia foi a categoria até 85 kg. Neste peso, um iraniano atual campeão olímpico tinha sobre si os olhos dos fãs do halterofilismo como aquele atleta que seria ouro e quem sabe recorde mundial na certa. Não foi bem o que aconteceu. O surto já contou o drama de Kianoush Rostami para conseguir chegar em Anaheim. Pois bem, o visto dele saiu apenas dois dias antes do início do mundial. Não se sabe se foi isso ou se foi muita sede ao pote para brigar diretamente para quebrar seu recorde mundial, o que aconteceu foi que, após a prata no arranque, Rostami iniciou o arremesso 9 quilos acima de todos os atletas concorrentes e nesse esporte, quando não é o dia do atleta, mesmo pra ele que tem a marca de 220 kg, não foi fácil levantar 212 kg, que acabou levando ele a zerar e não ter marca no final da categoria.

Quem não estava nem aí pra isso e queria fazer história foi o cubano naturalizado chileno Arley Méndez. O atleta fez história para o país sul americano, conquistando os três ouros, dando ao Chile as primeiras medalhas da história do país no levantamento de peso. As marcas que o levaram a vitória foram: 175 kg no arranque, 203 kg no arremesso (9 kg a menos que as tentativas erradas de Rostami) e 378 kg no total. Krzysztof Zwarycz da Polônia e Antoninno Pizzolato da Itália ficaram respectivamente com a prata e o bronze no total. Pizzolato ainda foi bronze no arranque e Zwarycz prata no arremesso, seguido pelo francês Romain Imadouchine na prova separada. 

Se Rostami decepcionou os fãs, seu compatriota e também super favorito,não. Foi até assustador a superioridade de Sohrab Moradi perante os outros atletas. Resultado disso foi a conquista de três medalhas de ouro com muita margem para os demais concorrentes, com direito a dois recordes mundiais. Começou com 184 kg no arranque, depois 233 kg no arremesso (um quilo acima do então recorde mundial) e terminou no total com 417 kg, quatro quilos acima da melhor marca histórica anterior que era dele mesmo. Para se ter uma ideia da superioridade do iraniano, o vice campeão total da categoria foi o lituano Aurimas Didzbalis, com 388 kg, ou seja, 29 kg a menos que Moradi. O bronze total também foi para o Irã, com Seyedayoob Mousavijahari com 385 kg. Dois jovens atletas subiram ao pódio das categorias separadas mas não demonstraram regularidade e por isso ficaram de fora do pódio total. O catari Fares Al-Bakh foi vice no arremesso, isso depois de ser décimo primeiro colocado no arranque, terminando em quarto no total. Já o uzbeque Fakhordbek Sobirov, jovem atleta apontado como um futuro grande adversário de Moradi, ficou a um quilo do grande campeão no arranque (183 kg), entretanto, queimou as três tentativas no arremesso e ficou sem marca no total, o pódio mais importante. 

O brasileiro Marco Tulio Gregorio participou da categoria, terminando em sétimo no total. O atleta tentou bater os recordes nacionais, mas acabou falhando, ficando apenas com uma marca válida em cada prova, 165 kg no arranque, 195 kg no arremesso e 360 kg no total. 

Antes de contar como Lydia Valentin dominou a categoria até 75 quilos feminino é importante lembrar que ela deve ser a atleta mais prejudicada nos casos de doping. A espanhola tem nada menos que três medalhas olímpicas seguidas, uma de cada cor, entretanto, só subiu em um pódio olímpico uma vez, com o bronze no Rio em 2016. Como isso é possível? Bom, tanto em Pequim 2008 como em Londres 2012, Lídia terminou os Jogos fora do pódio. Na Olimpíada chinesa foi quinta colocada e na capital britânica foi a quarta melhor até então. O que aconteceu depois é que os retestes promovidos pelo COI em parceria com a WADA após denúncias, desclassificaram por doping em ambas as edições três atletas que estavam na frente dela na classificação geral, o que deu a Lydia a prata em Pequim e o ouro em Londres 2012, ouro esse que ela não teve a oportunidade de ouvir o seu hino. Os casos foram descobertos no ano passado e Lydia, bem como as outras atletas que subiram posições, ainda não receberam suas medalhas herdadas.

Dito isso, agora é hora de falar que ela dominou. As outras brigaram pela prata e bronze, pois a espanhola até sorria e fazia o tradicional gesto do coraçãozinho após levantar os pesos como se nada tivesse acontecido. Três ouros com as marcas de 118 kg, 140 kg e 258 kg no total. Não são as melhores marcas da atleta, mas ao contrário de Rostami ela não queria arriscar, preferiu fazer o seu básico para garantir as medalhas. A prata tanto do arranque quanto do total foram para a jovem equatoriana Neisi Dajomes, de apenas 19 anos. Neisi neste ano foi campeã mundial júnior, nas três provas, e pode pintar como grande adversária de Lydia para os Jogos de Tóquio 2020. Bronze no arranque, a mongol Mönkhjantsangiin Ankhtsetseg, sentiu uma lesão e não voltou para a competição do arremesso. Bom para a francesa Gaëlle Nayo-Ketchanke que ficou com a prata no arremesso e o bronze no total, em uma categoria muito acirrada na disputa a partir do segundo lugar. 

O dia terminou com um hino errado. Pois é, até a organização americana que se vlangoria perante outras, erra. Quando Lydia Valentin finalmente subiu no pódio para ouvir o seu hino, a música que tocou com o hasteamento das bandeiras não foi a marcha real espanhola. Menos mal que após o erro, enfim executaram o hino para Lydia, agora campeã mundial, que ainda aguarda receber duas de suas medalhas olímpicas. O bronze no Rio ainda está solitário na casa da atleta. 

Confira os pódios do total do quinto dia de finais

- 85 Kg Masculino

1 Arley Mendez 🇨🇱 | 378 kg
2 Krzysztof Zwarycz 🇵🇱 | 359 kg
3 Antonino Pizzolato 🇮🇹 | 358 kg

- 94 Kg Masculino

1 Sohrab Moradi 🇮🇷 | 417 Kg WR
2 Aurimas Didžbalis 🇱🇹 | 388 kg
3 Seyedayoob Mousavijarahi 🇮🇷 | 385 kg

- 75 Kg Feminino

1 Lydia Valentin 🇪🇸 | 258 kg
2 Neisi Dajomes 🇪🇨 | 240 kg
2 Gaelle ketchanke Nayo  🇫🇷 | 237 kg

Foto: IWF




Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes