Holandesa Marit Bouwmeester e neozelandês Peter Burling são eleitos os melhores da vela em 2017

Os velejadores Marit Bouwmeester, entre as mulheres, e Peter Burling, entre os homens, foram escolhidos os melhores do ano o esporte no Prêmio Rolex Velejadores do Ano 2017, a primeira edição do evento, que foi realizado no Méxio. A dupla, vinda da Nova Zelândia e Holanda, recebeu seus prêmios em um evento que contou com a participação de estrelas do esporte no Patio Los Arcos, em Puerto Vallarta.

Depois de conquistar o ouro nas Olímpiadas do Rio 2016 na laser radial, seguido de uma vitória bem merecida na final da Copa do Mundo de 2016 em Melbourne, na Austrália, a holandesa Bouwmeester enfrentou um período de dificuldades com algumas lesões. Bouwmeester recebeu o troféu de mármore e prata, representando o globo, e falou de seus sonhos serem realizados. "Eu sou apenas uma garota da Frísia, no norte da Holanda. Sempre tive grandes sonhos e não queria apenas ir às Olimpíadas, mas queria ganhar uma medalha de ouro e dominar o esporte da vela, sendo a melhor velejadora que existe. As pessoas riam de mim porque naquela época, eu não estava nem classificada no top 20. Eu acho que se você gosta do que faz e se você trabalha duro e permanece dedicado, os sonhos se tornam realidade. Eu quero divulgar a mensagem aos jovens e aos velhos, para seguir seus sonhos", afirmou a holandesa.

Ela não conseguiu competir em regatas importantes durante o início de 2017, mas voltou ao esporte no Campeonato Mundial de Laser Radial em Medemblik, conquistando com autoridade o seu terceiro título mundial. Dois meses depois ela conquistou o título do Campeonato Europeu, mantendo com ela os títulos mais importantes da categoria.

Já o neozelandês Peter Burling, com apenas 26 anos de idade já conseguiu muito sucesso. Burling brilhou ao longo de todo o Challenger Series e o America's Cup e nem mesmo um capitão dramático poderia detê-lo. Disputando contra a equipe de Oracle dos Estados Unidos e o iatista australiano Jimmy Spithill, Burling liderou uma vitória por 7 a 1. Ele está atualmente competindo no Volvo Ocean Race a bordo do time Brunel.

Outras premiações também foram entregues ao longo da noite. O troféu Beppe Croce foi concedido a Carlo Croce, presidente da World Sailing de 2012 até 2016. O troféu é entregue a pessoas que fizeram uma contribuição voluntária excepcional para a vela. Olímpico em 1972 e 1976, Croce participou de várias campanhas da Copa América como presidente do Luna Rossa Challenge e depois como presidente da Federação Italiana de Vela. Como presidente da World Sailing ele os conduziu através de uma remarcação da Federação Internacional de Vela para a ISAF enquanto colocava os velejadores no coração do esporte.

Croce recebeu o prêmio do presidente da World Sailing, Kim Andersen, depois de divertir outros convidados contando pequenas passagens de sua vida e do vice-presidente da World Sailing, Gary Jobson.

Já Stan Honey recebeu o Troféu do Presidente, um prêmio que reconhece um indivíduo por seu trabalho no desenvolvimento da vela. O prêmio foi recebido das do presidente Andersen, como reconhecimento pelo desenvolvimento da apresentação do esporte na televisão. Como velejador Honey ganhou o Volvo Ocean Race e, como navegador, estabeleceu numerosos recordes mundiais e atualmente navega no Comanche. Honey usou seus conhecimentos de engenharia para criar gráficos revolucionários de televisão que melhoraram os níveis de produção da vela.


Em 2013, Honey foi responsável pela criação de imagens baseadas em GPS para a America's Cup e continua a desenvolver tecnologia para um uso mais amplo no esporte. Em 2013 ele recebeu o Prêmio Emmy, o mais importante da TV mundial.

Foto: Getty Images


Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes