Era Uma Vez... Os IX Jogos Pan-Americanos

Caracas 1983

Período - 14 a 29/8/1983
Nações - 36
Atletas - 3426
Esportes - 22
Eventos - 269





O primeiro grande evento recebido pela Venezuela contou com a participação de 3426 atletas de 36 países de toda a América tendo como palco principal o Estádio Olímpico da Universidade Católica Venezuelana, remodelado para o Pan. A abertura dos Jogos, com o acendimento da tocha ficou a cargo do ex-boxeador Francisco 'Morochito' Rodríguez.

O Pan de Caracas também assistiu pela primeira vez a aplicação séria do controle antidopagem numa competição de tal porte. 19 atletas acabaram pegos

Abertura do Pan de 1983 com direito a mosaico em homenagem a Simon Bolívar, um dos Libertadores da América
Foto: Autor Desconhecido
BRASIL TEM BOA ATUAÇÃO NA VENEZUELA

Ricardo Prado em ação no Pan 1983
Foto: Arquivo COB
O nadador Ricardo Prado foi a grande estrela do Brasil em Caracas. Campeão Mundial em Guayaquil, no ano anterior, ele ganhou duas medalhas de ouro (200m e 400m medley) e duas de prata (200m borboleta e 200m costas) na Venezuela. No ano seguinte, foi prata na Olimpíada de Los Angeles.

Em Caracas também brilhou pela primeira vez a estrela do mesatenista Cláudio Kano, que viria a ser um dos grandes nomes do esporte no país. Ele medalhou em duplas com Ricardo Tetsuo e ainda por equipes masculino, com Ricardo e Aristides Nascimento.

Sem João do Pulo, coube a Agberto Guimarães ser o grande nome do atletismo brasileiro no Pan. O meio-fundista venceu nos 800m e 1500m. Além dele, a velocista Esmeralda Garcia levou o ouro nos 100m rasos e a heptatleta Conceição Aparecida Geremias conquistou a prova mais desgastante do atletismo feminino.

A vela foi vitoriosa em Caracas. Quatro ouros garantidos pelos velejadores brasileiros no país, nas classes 470 (José Luiz Ribeiro e Paulo Roberto Ribeiro); Laser (Pedro Bulhões Fonseca); Lightining (Cláudio Biekarck, Gunnar Ficker e Ralph Berger) e Soling (Daniel Adler, Ronaldo Senfft e Torben Grael).

O judô foi o esporte que mais medalhas garantiu ao Brasil em Caracas. Foram 11 no total, mas nenhuma de ouro (5 de prata e 6 de bronze), superando o atletismo, que obteve dez (4 de ouro, 3 de prata e 3 de bronze).

E a geração de prata do Vôlei masculino conquistou o ouro no Pan em Caracas, com apenas uma derrota para Cuba na fase de grupos. A derrota foi devolvida na final, mais precisamente por 3 sets a 1.

OUTROS DESTAQUES

Três recordes mundiais foram quebrados no Pan de 1983, todos eles por nadadores americanos. Nos 4x100m medley masculino, nos 100m costas por Rick Carey e por Steve Lundquist nos 100m peito. Carey e Lundquist foram campeões olímpicos no ano seguinte nas mesmas provas.

O ginasta cubano Casimiro Suárez foi um dos grandes vencedores em Caracas, tendo conquistado seis medalhas de ouro na capital venezuelana. Ele foi ouro por equipes, individual, solo, salto sobre o cavalo, argolas, barra fixa e barras paralelas.
   
Cuba faturou o ouro em oito das 12 categorias do boxe. Um dos que quebrou a hegemonia cubana foi o norte-americano Pernell Whitaker, futuro campeão mundial como profissional, que ganhou entre os leves (até 60 kg).

Em Caracas tivemos pela primeira vez nos Jogos a disputa feminina do judô e do remo, e o tênis de mesa. Já o sambô - arte marcial popular em países do leste europeu - foi disputado pela última vez na competição.

CONTROLE ANTIDOPAGEM RÍGIDO E 'INÉDITO' BOTA ATLETAS PARA CORRER

O Pan realizado em Caracas foi o primeiro a fazer um controle antidopagem rígido aos atletas participantes da competição. E em 1983 também houve o maior número de casos de doping na história dos Jogos: 19 casos, sendo 10 deles medalhistas naquele Pan. Cuba (4), Estados Unidos, Canadá, República Dominicana e Argentina (cada uma com 2 atletas) foram pegos. Além disso, 12 atletas dos EUA fugiram de Caracas ao saber que realmente haveriam testes antidopagem nos Jogos.

Até hoje, o Brasil teve apenas um caso registrado em Pans: o da nadadora Rebeca Gusmão, no Pan de 2007, o que culminou na perda das medalhas conquistadas e no seu banimento das competições, por ser o segundo caso em que a atleta foi condenada.

QUADRO DE MEDALHAS

Como esperado, os Estados Unidos fizeram prevalecer o domínio esportivo no cenário pan-americano, com 137 ouros, 92 pratas e 56 bronzes. Em crescimento, Cuba se aproximou ainda mais dos EUA no quadro de medalhas, com 79 conquistas. O pódio é completado pelo Canadá, que quase foi superado pelo Brasil, que fez boa campanha para os padrões da época. 18 ouros para o Canadá, 14 brasileiros.

PosiçãoPaísOPBTotal
1Flag of the United States.svg Estados Unidos1379256285
2Flag of Cuba.svg Cuba795343175
3Flag of Canada.svg Canadá184447109
4Flag of Brazil.svg Brasil14202357
5Flag of Venezuela.svg Venezuela12263573
6Flag of Mexico.svg México7112442
7Flag of Argentina (alternative).svg Argentina2112235
8Flag of Puerto Rico (1952-1995).svg Porto Rico27615
9Flag of Colombia.svg Colômbia171321
10Flag of Chile.svg Chile13913
11Flag of Peru.svg Peru1168
12Flag of Uruguay.svg Uruguai1023
13Flag of Ecuador.svg Equador1001
14Flag of the Dominican Republic.svg República Dominicana07714
15Flag of Trinidad and Tobago.svg Trinidad & Tobago0123
16Flag of the Bahamas.svg Bahamas0101
Flag of Guatemala.svg Guatemala0101
18Flag of Jamaica.svg Jamaica0066
19Flag of Belize.svg Belize0011
Flag of Panama.svg Panamá0011
Formatação do Quadro: Wikipédia

Postar um comentário

Copyright © Surto Olimpico. Designed by OddThemes